Festa do Cinema Italiano na Casa das Artes

Festa do Cinema Italiano na Casa das Artes

A Casa das Artes do Porto recebe mais uma edição da Festa do Cinema Italiano. De 8 a 12 de maio, o mais importante evento dedicado à cultura italiana, que vai passar também pelo Batalha Centro Cinema, traz uma programação de 8 filmes, representando aquelas que são as principais secções da 17ª edição do evento.

PROGRAMAÇÃO CASA DAS ARTES

8 de maio | 21h30 | AINDA TEMOS O AMANHÃ, de  Paola Cortellesi

Um dos maiores sucessos de bilheteira da história recente do cinema italiano, Paola Cortellesi narra com leveza e maestria a história de Delia, esposa de Ivano e mãe de três filhos. Ela aceita a vida que lhe foi destinada – esposa e mãe -, no entanto, a chegada de uma carta misteriosa desperta a sua coragem para desafiar o destino e imaginar um futuro melhor, não apenas para si mesma. Unindo a commedia all’italiana a um neorealismo pop, Cortellesi surpreende, inova e emociona ao prestar um tributo aos feitos extraordinários de muitas mulheres comuns que, sem suspeitarem, contribuíram para a construção de uma sociedade mais igualitária.

9 de maio | 19h00 | I PEGGIORI GIORNI, de de Massimiliano Bruno, Edoardo Leo

I peggiori giorni traz-nos uma boa leva de risadas e sarcasmo enquanto Massimiliano Bruno e Edoardo Leo exploram o lado ainda mais cínico das festividades, descrevendo uma sociedade em desordem. Uma sequela tão cómica como I migliori giorni mas ainda mais negra.

9 de maio | 21h30 | DISCO BOY, de Giacomo Abbruzzese

Galardoado com o Urso de Prata para Melhor Contribuição Artística no Festival de Berlim, este filme transporta-nos para um universo onde os fantasmas são manifestações tangíveis das memórias dolorosas, assombrando aqueles que vivenciaram o conflito de forma visceral. Com uma atuação marcante de Franz Rogowski no papel de Aleksei, um bielorrusso que foge para França e se inscreve na Legião Francesa, somos levados a questionar o próprio sentido da existência. Este não é apenas mais um filme sobre estruturas militares e hierarquias rígidas; Abbruzzese segue os passos daqueles que, como Clint Eastwood com Flags of Our Fathers e Letters from Iwo Jima, mostraram a guerra sob perspetivas opostas, desafiando-nos a refletir sobre as complexidades do conflito e os seus impactos duradouros na psique humana.

10 de maio | 19h00 | OBRIGADO, RAPAZES, de Riccardo Milani

Um ator falido. O espaço prisional como lugar de transformação e oportunidade. Uma história de esperança. E o poder da arte como ferramenta de redenção.

Perante a falta de ofertas de emprego, Antonio, um ator apaixonado pela representação mas sem sucesso na carreira, aceita um trabalho como professor de uma oficina de teatro num instituto penitenciário.

“Obrigado, Rapazes” é uma história de renascimento pessoal e coletivo, pela lente de Riccardo Milani.

10 de maio | 21h30 | I MIGLIORI GIORNI, de Massimiliano Bruno, Edoardo Leo

Quatro episódios, cada um centrado numa festividade, compõem uma comédia astuta que, entre a ironia e a amargura, explora a alma humana durante as várias celebrações.

I migliori giorni é um filme que mergulha nos significados mais profundos de algumas das festividades mais marcantes do ano: a Véspera de Natal, a Véspera de Ano Novo, o Dia dos Namorados e o Dia da Mulher. Nestas datas comemorativas, as quais muitos encaram como momentos de paz e celebração, o filme revela-se uma verdadeira montanha-russa emocional explorando os laços familiares, as boas intenções, as relações amorosas e a condição feminina, desafiando as intenções superficiais por detrás destas festividades, questionando o verdadeiro significado dos nossos atos e intenções que marcam os dias de celebração. 

11 de maio | 16h30 | QUE VIVA A REVOLUÇÃO!, de  Paolo e Vittorio Taviani

1816. Na Europa da Restauração, o preso político Fulvio Imbriani (Marcello Mastroianni) – aristocrata, antigo jacobino e ex-oficial napoleónico – é libertado da prisão e regressa à propriedade da família, onde cai em mãos da amante que o força a reatar a relação. Os seus antigos camaradas de luta fazem tudo o que podem para o envolver novamente em atividades revolucionárias, mas Fulvio, o verdadeiro anti-herói, totalmente desiludido, vê agora os ideais revolucionários como meros desejos anacrónicos e falhados. O filme espelha uma Itália do início dos anos 70, onde o fracasso de qualquer ideia revolucionária tinha sido consumada e a ansiedade de revolta dos anos 60 tinha-se diluído numa retirada “restauradora” para a esfera privada e para o hedonismo ou, pelo contrário, tinha-se radicalizado e tornado fanática na luta armada e nos crimes das Brigate Rosse.

11 de maio | 19h00 | EU, CAPITÃO, de Matteo Garrone

Uma parábola pura e desprovida de retórica sobre a necessidade de assumir a responsabilidade pelos nossos atos.

Candidato ao Óscar de Melhor Filme Internacional,  Eu, Capitão é um conto homérico sobre a intrépida viagem de dois jovens, Seydou e Moussa, que partem de Dakar com um sonho:  chegar à Europa. Uma Odisseia contemporânea que atravessa as armadilhas do deserto, os perigos do mar e as ambiguidades do ser humano. 

11 de maio | 21h30 | O BOÉMIO, de Petr Václav

A vida, a arte e os amores de Josef Mysliveček, “o Boémio”, figura de destaque na música do século XVIII, aclamado na sua época e posteriormente ofuscado pelo brilho intenso de Wolfgang Amadeus Mozart.

Com base nos poucos documentos existentes e baseando-se na sua própria imaginação, o realizador mergulha-nos nas águas turvas do século da libertinagem erudita e da monarquia absoluta em decadência. Entre espetáculos de ópera e majestosos palácios italianos permeados de frescos e iluminados por velas, a criação e a promiscuidade desenrolam-se imparáveis, através de uma realização que faz lembrar o estilo pictórico e opulento de Garrone em O Conto dos Contos.

Bilhetes disponíveis na BILHETEIRA PATRIMÓNIO CULTURAL.