Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Apresentações 01/02/2022

Centenário da morte de Aurélia de Sousa motiva produção de catálogo raisonné

No ano do centenário da morte da pintora Aurélia de Sousa, o Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova (IHA), o Museu Nacional Soares dos Reis (MNSR) e a Universidade Católica Portuguesa estão a preparar o catálogo integral da obra da artista, que será publicado em formato ebook e em edição impressa.

Inventário conta já com mais de 300 obras.

O projeto, iniciado em 2020 e conduzido pela Professora Raquel Henriques da Silva, conta ainda com a parceria da Câmara Municipal de Matosinhos e da Câmara Municipal do Porto e prevê a elaboração de um inventário sistemático, com o registo fotográfico de toda a obra de Aurélia de Sousa em coleções públicas e particulares.

O levantamento conta já com mais de 300 obras e tem o apoio mecenático da Fundação Millennium BCP. Na expetativa de reunir ainda mais peças da artista, o MNSR pede a todos os colecionadores com obras por identificar o contacto pelo email geral-mnsr@mnsr.dgpc.pt

Recorde-se que uma das obras de referência da arte portuguesa na viragem dos dois séculos é da autoria de Aurélia de Sousa: o Autorretrato, da coleção do MNSR, realizado por volta de 1900.


Maria Aurélia Martins de Sousa nasceu a 13 de Junho de 1866, na cidade de Valparaíso, no Chile, filha de portugueses emigrados. Com apenas três anos de idade veio para Portugal com a família, que se instalou no Porto, numa propriedade nas margens do rio Douro, a Quinta da China.

A sua aprendizagem artística inicia-se com as lições particulares de desenho e pintura de Caetano Moreira da Costa Lima. Tinha já 27 anos quando se matriculou na Academia Portuense de Belas-Artes, que frequentou entre 1893 e 1898. Em 1899 partiu para Paris suportada financeiramente pela família. Ali permaneceu cerca de três anos e frequentou os cursos de Jean-Paul Laurens e Benjamin Constant na Academia Julien. À semelhança do programa dos bolseiros do Estado, e antes de regressar a Portugal, viajou por vários países europeus na companhia da irmã Sofia, também ela pintora, que se juntara a Aurélia em Paris.

Regressada ao Porto desenvolveu uma carreira reservada, algo tanto arredada dos meios artísticos da cidade, apesar da participação regular em exposições coletivas.

A sua produção artística assenta num conjunto reduzido de temáticas: as que preferiu e trabalhou ao longo de toda a carreira foram o retrato, a paisagem e as cenas intimistas do quotidiano doméstico. Os motivos para as suas pinturas, além do seu próprio rosto, procurava-os no universo familiar, fonte inesgotável de inspiração: as pessoas, os recantos da casa, os aspectos do jardim, os trechos de paisagem com o rio ao fundo.

Morre no Porto em 1922.

 

VÍDEO

Aurélia de Sousa - Autorretrato

https://www.youtube.com/watch?v=Bho2kGCMoE0

 

AURÉLIA DE SOUSA NO GOOGLE ARTS AND CULTURE
https://artsandculture.google.com/entity/aur%C3%A9lia-de-sousa/m0dvm3l?categoryId=artist&hl=pt-pt