Saltar para o conteúdo principal da página

Roteiro da exposição “Na Rota das Catedrais – Construções (d)e Identidades”

<p><strong>A exposição <em>“Na Rota das Catedrais – Construções (d)e Identidades”</em>, apresentada neste roteiro, esteve patente ao público de 28 de junho a 30 de setembro deste ano, na </strong><strong>Galeria D. Luís do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.</strong></p>
<p class="MsoNormal">As catedrais portuguesas são um conjunto patrimonial de reconhecida singularidade, que ao longo dos séculos assumiu papel de relevo na estruturação do território e na definição de uma identidade nacional. O lugar escolhido pelo episcopus para estabelecer a sua cátedra reflete a evolução das mentalidades, do conhecimento, das artes e da arquitetura, tendo influenciado valores como os da urbanidade e da civilização.</p>
<p class="MsoNormal">Assumindo o inestimável valor destes monumentos, a DGPC e o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja assinaram em 2009 um acordo de cooperação para desenvolvimento do projeto “<a href="http://rotadascatedrais.com/" target="_blank">Rota das Catedrais</a>”. Trata-se de uma iniciativa extensível a todo o território português, que envolve parceiros locais, regionais e nacionais (através dos Cabidos, Paróquias e Direções Regionais de Cultura), a par de outras entidades, e que ao longo destes anos já resultou em muitas ações de valorização do património envolvido.</p>
<p class="MsoNormal">A exposição absolutamente inédita que se apresentou em Lisboa concretizou, através de linguagem museológica, a notável riqueza patrimonial e artística desta Rota dispersa no espaço e no tempo. Tratou-se de uma mostra dirigida ao grande público, em que as Catedrais foram apresentadas como pontos de ancoragem de diversos itinerários possíveis, contemplando sempre o seu legado material e imaterial.</p>
<p class="MsoNormal">Traoua-se também de um momento irrepetível, uma vez que as peças reunidas dificilmente voltarão a ser mostradas num mesmo local. Por outro lado, pretendeu-se com esta iniciativa dar um novo impulso ao projeto “Rota das Catedrais”, sensibilizando o público nacional e estrangeiro para aquele que constitui um roteiro cultural nacional de invulgar riqueza, que importa valorizar e promover.</p>
<p class="MsoNormal">Com recurso a uma museografia atrativa, didática e contemporânea, foi criada uma narrativa que articula a génese e a caraterização específica de cada um dos monumentos, ao mesmo tempo que faz sobressair a notoriedade do conjunto. O visitante foi assim transportado para o específico território onde cada catedral portuguesa se implanta, numa experiência que envolverá múltiplos elementos informativos, designadamente as componentes gráfica e audiovisual.</p>
<p class="MsoNormal">Esta exposição, que reuniu mais de 110 peças provenientes de catedrais e igrejas de Portugal continental, Madeira e Açores, algumas classificadas como Tesouros Nacionais, é comissariada por Marco Daniel Duarte, historiador de arte e diretor do Museu do Santuário de Fátima.</p>
<p class="MsoNormal">Além da sua abrangência territorial, destacou-se também pela amplitude do período cronológico representado – do séc. VIII a.C. até ao séc. XXI – e ainda pela diversidade dos objetos expostos, que vão do mobiliário à ourivesaria, passando pela pintura, matéria têxtil, escultura, peças ligadas à prática litúrgica, livros antigos e partituras musicais.</p>
<p class="MsoNormal">Este conjunto de peças de excecional valor histórico, artístico e simbólico provem de museus, bibliotecas, arquivos e das próprias catedrais. Nele se incluem a Cátedra dos antigos bispos de Ceuta (séc. XV), peça de mobiliário tardo-medieval que se conserva na Colegiada de Santo Estêvão, em Valença do Minho, e que é a mais antiga cadeira episcopal do património português, a par de vários objetos venerados nas catedrais portuguesas, como a Nossa Senhora da Boa Morte (séc. XVIII), da Catedral de Coimbra (Sé Nova) ou o Menino Jesus da Cartolinha, da concatedral de Miranda do Douro.</p>

A exposição “Na Rota das Catedrais – Construções (d)e Identidades”, apresentada neste roteiro, esteve patente ao público de 28 de junho a 30 de setembro deste ano, na Galeria D. Luís do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

As catedrais portuguesas são um conjunto patrimonial de reconhecida singularidade, que ao longo dos séculos assumiu papel de relevo na estruturação do território e na definição de uma identidade nacional. O lugar escolhido pelo episcopus para estabelecer a sua cátedra reflete a evolução das mentalidades, do conhecimento, das artes e da arquitetura, tendo influenciado valores como os da urbanidade e da civilização.

Assumindo o inestimável valor destes monumentos, a DGPC e o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja assinaram em 2009 um acordo de cooperação para desenvolvimento do projeto “Rota das Catedrais”. Trata-se de uma iniciativa extensível a todo o território português, que envolve parceiros locais, regionais e nacionais (através dos Cabidos, Paróquias e Direções Regionais de Cultura), a par de outras entidades, e que ao longo destes anos já resultou em muitas ações de valorização do património envolvido.

A exposição absolutamente inédita que se apresentou em Lisboa concretizou, através de linguagem museológica, a notável riqueza patrimonial e artística desta Rota dispersa no espaço e no tempo. Tratou-se de uma mostra dirigida ao grande público, em que as Catedrais foram apresentadas como pontos de ancoragem de diversos itinerários possíveis, contemplando sempre o seu legado material e imaterial.

Traoua-se também de um momento irrepetível, uma vez que as peças reunidas dificilmente voltarão a ser mostradas num mesmo local. Por outro lado, pretendeu-se com esta iniciativa dar um novo impulso ao projeto “Rota das Catedrais”, sensibilizando o público nacional e estrangeiro para aquele que constitui um roteiro cultural nacional de invulgar riqueza, que importa valorizar e promover.

Com recurso a uma museografia atrativa, didática e contemporânea, foi criada uma narrativa que articula a génese e a caraterização específica de cada um dos monumentos, ao mesmo tempo que faz sobressair a notoriedade do conjunto. O visitante foi assim transportado para o específico território onde cada catedral portuguesa se implanta, numa experiência que envolverá múltiplos elementos informativos, designadamente as componentes gráfica e audiovisual.

Esta exposição, que reuniu mais de 110 peças provenientes de catedrais e igrejas de Portugal continental, Madeira e Açores, algumas classificadas como Tesouros Nacionais, é comissariada por Marco Daniel Duarte, historiador de arte e diretor do Museu do Santuário de Fátima.

Além da sua abrangência territorial, destacou-se também pela amplitude do período cronológico representado – do séc. VIII a.C. até ao séc. XXI – e ainda pela diversidade dos objetos expostos, que vão do mobiliário à ourivesaria, passando pela pintura, matéria têxtil, escultura, peças ligadas à prática litúrgica, livros antigos e partituras musicais.

Este conjunto de peças de excecional valor histórico, artístico e simbólico provem de museus, bibliotecas, arquivos e das próprias catedrais. Nele se incluem a Cátedra dos antigos bispos de Ceuta (séc. XV), peça de mobiliário tardo-medieval que se conserva na Colegiada de Santo Estêvão, em Valença do Minho, e que é a mais antiga cadeira episcopal do património português, a par de vários objetos venerados nas catedrais portuguesas, como a Nossa Senhora da Boa Morte (séc. XVIII), da Catedral de Coimbra (Sé Nova) ou o Menino Jesus da Cartolinha, da concatedral de Miranda do Douro.

Referência: IPPBLIV18859350

Dimensões:

Peso:

Unitário
Preço
15,00€

Veja também:

Ricordo di Veneza

Referência: IPPBLIV15312050

Preço Unitário:
22,50€

A Custódia de Belém Inglês

Referência: IPPBLIV10832501

Preço Unitário:
35,00€

Preço Unitário:
25,00€