Saltar para o conteúdo principal da página

Revista Monumentos nº 36

<p>O presente número, dedicado a Mértola, é editado no ano em que o Campo Arqueológico de Mértola comemora 40 anos de existência. O conjunto dos estudos e das reflexões que aqui foi possível reunir destacam a importância do trabalho pioneiro do CAM, que homenageiam, e procuram fazer um ponto de situação sobre o estado do conhecimento sobre esta vila baixo-alentejana e a sua importância patrimonial. Assim, procuram enquadrá-la no seu contexto geográfico, verificando a importância determinante que este teve para o seu desenvolvimento histórico, desde a Antiguidade, onde foi um importante entreposto comercial fortemente romanizado e integrado na dinâmica comercial das rotas mediterrânicas, como as mais recentes campanhas arqueológicas revelam, aos períodos paleocristãos, almóada e medieval, em que foi sede da ordem portuguesa de Santiago, à Idade Moderna, aqui presente nas importantes campanhas decorativas, na Igreja Matriz, e na pintura de Mértola e seu entorno, até à contemporaneidade, não esquecendo a importância da exploração mineira e industrial da serra de São Domingos. De destacar ainda a apresentação de trabalhos<strong> </strong>de interpretação e intervenção patrimonial apresentados por alunos de Arquitetura, das escolas de Lisboa e Coimbra, com cerca de trinta anos de diferença. Por último, na rubrica <em>vária</em>, conta com textos sobre o<em> </em>primitivo sistema hidráulico do “convento novo”, no Convento de Cristo, em Tomar<em>,</em> e sobre o ciclo fresquista do <em>Chiostro degli Aranci</em> na Badia Fiorentina, em Florence, obra do pintor quinhentista português, João Gonçalves.</p>

O presente número, dedicado a Mértola, é editado no ano em que o Campo Arqueológico de Mértola comemora 40 anos de existência. O conjunto dos estudos e das reflexões que aqui foi possível reunir destacam a importância do trabalho pioneiro do CAM, que homenageiam, e procuram fazer um ponto de situação sobre o estado do conhecimento sobre esta vila baixo-alentejana e a sua importância patrimonial. Assim, procuram enquadrá-la no seu contexto geográfico, verificando a importância determinante que este teve para o seu desenvolvimento histórico, desde a Antiguidade, onde foi um importante entreposto comercial fortemente romanizado e integrado na dinâmica comercial das rotas mediterrânicas, como as mais recentes campanhas arqueológicas revelam, aos períodos paleocristãos, almóada e medieval, em que foi sede da ordem portuguesa de Santiago, à Idade Moderna, aqui presente nas importantes campanhas decorativas, na Igreja Matriz, e na pintura de Mértola e seu entorno, até à contemporaneidade, não esquecendo a importância da exploração mineira e industrial da serra de São Domingos. De destacar ainda a apresentação de trabalhos de interpretação e intervenção patrimonial apresentados por alunos de Arquitetura, das escolas de Lisboa e Coimbra, com cerca de trinta anos de diferença. Por último, na rubrica vária, conta com textos sobre o primitivo sistema hidráulico do “convento novo”, no Convento de Cristo, em Tomar, e sobre o ciclo fresquista do Chiostro degli Aranci na Badia Fiorentina, em Florence, obra do pintor quinhentista português, João Gonçalves.

Referência: IPPBREV18858401

Dimensões:

Peso:

Unitário
Preço
25,00€

Veja também:

Revista Monumentos nº 35

Referência: IPPBREV17721401

Preço Unitário:
25,00€