Saltar para o conteúdo principal da página

Trabalhos de Arqueologia 41 - As ânforas romanas do Castelo de São Jorge (Lisboa)

Trabalhos de Arqueologia 41 - As ânforas romanas do Castelo de São Jorge (Lisboa)

João Pimenta

2005

163 p.

972-8662-24-6

Índice PDF 

PREFÁCIO PDF

AGRADECIMENTOS PDF 

INTRODUÇÃO PDF 

I PARTE – OLISIPO E O VALE DO TEJO PDF 
1. Castelo de São Jorge, enquadramento das intervenções
2. Enquadramento geográfico
3. Olisipo
  3.1. A síntese possível acerca da sua evolução
  3.2. Olisipo no quadro das campanhas militares romanas na fachada atlântica
4. As ânforas enquanto fonte privilegiada para o estudo da economia antiga

II PARTE – AS ÂNFORAS DO CASTELO DE SÃO JORGE E OS SEUS CONTEXTOS PDF 
1. Metodologia
2.Contextos arqueológicos
  2.1. Praça Nova
  2.2. Freguesia de Santa Cruz do Castelo
  2.3. Discussão dos contextos, significados e cronologias
3. O vinho itálico
  3.1. Ânforas greco-itálicas
  3.2. Ânforas Dressel 1 itálicas
  3.3. A análise dos grupos de fabrico identificados e o seu significado
4. Os preparados piscícolas
  4.1. Ânforas Mañá C2b (Tipo 7.4.3.2. e Tipo 7.4.3.3.)
  4.2. Tipo 9.1.1.1. (CC.NN.)
  4.3. A análise dos grupos de fabrico identificados
5. O azeite
  5.1. O azeite itálico
  5.2. O azeite africano
6. Ânforas de conteúdo indeterminado
  6.1. Greco-itálicas hispânicas
  6.2. Análise dos grupos de fabrico identificados
  6.3. Subgrupo 12. 1.1.0. (Mañá-Pascual A4)
  6.4.Tipo 4.2.2.5.
  6.5. Ânforas de difícil classificação
  6.6.Análise dos grupos de fabrico identificados

III PARTE – ANÁLISE QUANTITATIVA E QUALITATIVA DO CONJUNTO PDF
1. Apreciação quantitativa do conjunto
2. A importação de ânforas itálicas e o vinho no Ocidente peninsular
  2.1. As ânforas greco-itálicas e o início da importação de vinho italiano no ocidente peninsular
  2.2. As ânforas itálicas e a dinâmica comercial tardo-republicana
3. As ânforas do Mediterrâneo ocidental e da área do estreito de Gibraltar
  3.1. Ânforas de tipologia “ibero-púnica”, continuidade ou ruptura?
  3.2. Imitações de modelos itálicos e a “romanização” dos contentores
4. O azeite e as suas proveniências

CONSIDERAÇÕES FINAIS PDF 

ANEXOS PDF
Anexo I – Tabelas. Base de dados ânforas do Castelo de São Jorge (1996/2003)
Anexo II – Apêndice numismático

BIBLIOGRAFIA PDF

Referência: IPPBLIV07308237

Veja também:

A Pintura Mural no Real Paço da Ajuda

Referência: IPPBLIV15257650

RP - Revista Património, Nº3,

Referência: IPPBREV16412201

Os painéis de São Vicente em Pop - up

Referência: IPPBLIV15316557