Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Renda - detalhe

Designação

Designação

Casa da Renda

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Figueira da Foz / Alhadas

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Edital n.º 41/05 de 13-01-2005 da CM da Figueira da Foz

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizada no centro da povoação de Alhadas, circundada por um espaço arborizado com muro, a Casa da Renda é uma habitação de cariz agrícola que se encontra num avançado estado de ruína. As estruturas edificadas organizam-se numa planta irregular em V, com pátio intermédio, que se implantam num terreno triangular, do qual ocupam duas faces.
O edifício localizado a oeste divide-se em dois andares, tendo entrada para o piso térreo através de uma porta larga de verga curva, com corredor de acesso ao pátio. Para o andar superior é necessário subir a escadaria lateral, protegida por alpendre com varandim assente em arcaria, pelo qual se acede ao vestíbulo, e, de imediato, a uma sala de grandes dimensões, onde se albergou originalmente um celeiro. A este compartimento corresponde, no piso térreo, uma outra sala com abóbada de nervuras e colunas, que deverá ter funcionado como lagar.
O pátio permite novos acessos ao piso superior, também por escada lateral, e no corpo seguinte encontram-se as cozinhas e outras dependências que foram já muito alteradas, mas que exibem tetos de estuque. Ainda no pátio, destaca-se um poço de pedra.
História
A Casa da Renda de Alhadas é um antigo celeiro que teve como função, até ao século XVIII, armazenar os géneros que o povo da localidade pagava ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. A denominação advém do facto dos monges não fazerem uma cobrança direta, tendo os rendeiros como intermediários entre o mosteiro e a população.
O Couto de Santa Cruz era o mais poderoso da região durante a época medieval e, apesar de ter perdido parte dessa importância a favor da Universidade de Coimbra, já no século XVI, o mosteiro manteve grande parte dos domínios territoriais do Mondego até à centúria de Setecentos, tendo mandado construir vários celeiros em determinadas localidades da região para guardar os produtos agrícolas que lhe eram pagos - as rendas.
Um deles foi precisamente este da freguesia de São Pedro de Alhadas, que integrava o referido couto desde o século XII, não se conhecendo, no entanto, a data da sua edificação primitiva. No entanto, é possível reconhecer, na sua arquitetura depurada e de cariz utilitário, algumas intervenções já dos finais da época moderna, como a da sala do antigo lagar, talvez do século XVIII, e a decoração de algumas das salas do segundo corpo, com trabalhos em estuque.
Apesar do avançado estado de ruína em que se encontra a Casa da Renda, esta é, sem dúvida, um importante testemunho do poder e da organização senhorial que os Crúzios de Coimbra detiveram até à extinção das ordens religiosas.
A Casa da Renda de Alhadas foi classificada como de interesse municipal em 2005.
Catarina Oliveira
DGPC, 2018

Imagens

Bibliografia

Título

Regime senhorial, sociedade e vida agrária: o Mosteiro de Santa Cruz e a região de Coimbra (1700-1834), Tese de dout. apresentada à Fac. de Letras da Univ. de Coimbra

Local

Coimbra

Data

1991

Autor(es)

NETO, Margarida Sobral

Título

Processo de Classificação da Casa da Renda, IPPAR/DRC

Local

Coimbra

Data

2004

Autor(es)

-