Saltar para o conteúdo principal da página

Necrópole da Atalaia - detalhe

Designação

Designação

Necrópole da Atalaia

Outras Designações / Pesquisas

Conjunto funerário da Atalaia (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Ourique / Ourique

Endereço / Local

- -
Ataboeira, Atalaia e Monte Queimado

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 24/2013, DR, 1.ª série, n.º 142, de 25-07-2013 (com restrição de preservação integral) (ver Decreto)
Aprovado em Conselho de Ministros de 6-06-2013 o diploma de classificação como MN
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 2-05-2013 da diretora-geral da DGPC
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Anúncio n.º 13693/2012, DR, 2.ª série, n.º 220, de 14-11-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 13-09-2012 da DRC do Alentejo
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de 26-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC do Alentejo para aplicação do artigo 54.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Parecer de 26-10-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como SIN (com a designação de MN)
Nova proposta de 27-04-2011 da DRC do Alentejo
Devolvido à DRC do Alentejo em 24-02-2011 para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 10-01-2011 da DRC do Alentejo para a classificação como MN
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Edital de 29-08-1996 da CM de Ourique
Despacho de abertura de 11-12-1995 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 17-11-1995 da DR de Évora para a abertura da instrução do processo de classificação

ZEP

Despacho de 4-09-2013 da diretora-geral da DGPC a devolver o processo à DRC do Alentejo para reanálise
Parecer favorável de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 13-09-2012 da DRC do Alentejo
Parecer favorável de 26-10-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 27-04-2011 da DRC do Alentejo
Devolvido à DRC do Alentejo em 24-02-2011 para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 10-01-2011 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A semelhança do que sucedia noutras regiões do actual território português, o termo correspondente ao município de Ourique foi objecto de prospecção e escavação arqueológica já em pleno século XX, especialmente por mão do professor, etnógrafo e arqueólogo Abel Viana e do pré-historiador, especialista em Idade do Bronze e membro do Instituto Arqueológico Alemão de Madrid, desde 1959, Hermanfrid Schubart.
E a "Necrópole da Atalaia" foi uma das estações que mereceu a sua especial atenção, escavando-a no início dos anos sessenta.
Composta de sete monumentos distribuídos ao longo de uma área relativamente extensa, a necrópole destaca-se pela diversidade numérica dos correspondentes túmulos e enterramentos, num total de 99 e 147, respectivamente, organizados em torno de um anel central, constituindo, assim, aquela que poderá ser considerada como "[...] a mais espectacular necrópole da Idade do bronze até ao momento escavada no sul do país." (CORREIA; V. H., PARREIRA, R., 2002, p. 4). br>De planta predominantemente circular e semicircular, os túmulos apresentam-se definidos por muros construídos com lajes sobrepostas na horizontal, contendo, em regra, uma única sepultura (fossas quadrangulares ou rectangulares rasgadas no afloramento rochoso e recobertas por laje), embora se registem casos em que albergam duas inumações rodeadas de oroa pétrea. Apesar desta tendência, identificou-se a presença de cistas enterradas no solo base com quatro esteios e sepulcros situados na superfície.
A necrópole apresenta, na realidade, algumas particularidades, quando comparada a outros exemplares existentes datados do mesmo Bronze Final, embora "A estrutura tumular complexa da Atalaia repete-se na necrópole de Alcaria, situada a escassos quilómetros [...]." (PARREIRA, R., 1999, p. 20).
Com efeito, "Dentro de cada núcleo observa-se, pela estratigrafia horizontal dos "cachos" uma dimensão temporal, com organização do espaço a partir do túmulo central, que ocupa o "centro preferencial" da elevação." (Ibid.), num exemplo claro de aposição, nas condições naturais preexistentes, de significados (mensagens) carreados pela localização espacial das realidades observadas.
Quanto ao espólio encontrado, dele fazem parte, entre outros materiais, diversas tigelas "tipo Atalaia", para além de inúmeros exemplares de outras tipologias cerâmicas (copos, canecas, jarras, etc.), a par de artefactos metálicos, como nos casos de lâminas de punhal, pontas, anéis e contas de ouro, assim como inúmeras contas vítreas.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Complexificação das sociedades e sua inserção numa vasta rede de intercâmbios, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Vítor de Oliveira

Título

A Primeira Idade do Ferro, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

SILVA, Armando Coelho Ferreira da

Título

300 Sítios arqueológicos visitáveis em Portugal, Al-madan

Local

Almada

Data

2001

Autor(es)

RAPOSO, Jorge

Título

Cola. Circuito arqueológico

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

PARREIRA, Rui, CORREIA, Virgílio Hipólito

Título

Os povoados do Bronze Final do Sudoeste na margem esquerda portuguesa do Guadiana: novos dados sobre a cerâmica de ornatos brunidos, Revista Portuguesa de Arqueologia

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

SOARES, António Manuel Monge

Título

As arquitecturas como factor de construção da paisagem na Idade do Bronze do Alentejo interior, Existe uma Idade do Bronze Atlântico?

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

PARREIRA, Rui