Saltar para o conteúdo principal da página

Albergaria de D. Mafalda e Palacete Moura Coutinho - detalhe

Designação

Designação

Albergaria de D. Mafalda e Palacete Moura Coutinho

Outras Designações / Pesquisas

Albergaria de D. Mafalda / Palacete Moura Coutinho(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Lamego / Penajóia

Endereço / Local

Lugar do Moledo
Penajóia

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Deliberação de 24-04-2007 da CM de Lamego

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Entre Lamego e Peso da Régua, à beira do antigo caminho medieval que fazia a ligação ao Caminho de Santiago pelo interior Norte do actual território português, a rainha D. Mafalda mandou construir uma albergaria, para descanso de peregrinos e viajantes que procuravam atravessar o Douro pela barca de passagem aí existente, conhecida mais tarde como Barca de Moledo, uma das muitas que, pelos séculos seguintes, haveriam de lucrar com a passagem de homens e de mercadorias entre as duas margens do grande rio do Norte.
Do edifício mandado edificar pela mulher de D. Afonso Henriques nada hoje resta. Sabe-se que tinha anexo a capela de Nossa Senhora da Ajuda (mais um curioso elemento que alude aos perigos do caminho e, em concreto, da travessia do Douro), mas o conjunto foi substancialmente modificado na época moderna, altura em que se transformou no Solar de uma importante família da região: os Moura Coutinho.
Na actualidade, identifica-se um muito arruinado edifício de dois pisos, com definição hierárquica e simétrica de vãos na fachada principal (mais cuidados e dotados de lintel saliente os do piso térreo), a cuja porta se acedia por pequena escadaria de parapeito. O conjunto, todavia, carece de um estudo integral de elementos construtivos e de exploração arqueológica, tendo em atenção a sua longa trajectória histórica e o potencial informativo que o local encerra para os períodos medieval e moderno na região de Lamego.
Paulo Fernandes | DIDA | IGESPAR, I. P.
21.08.2007