Saltar para o conteúdo principal da página

Quinta do Bosque e área delimitada dentro dos muros - detalhe

Designação

Designação

Quinta do Bosque e área delimitada dentro dos muros

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Nossa Senhora da Consolação do Bosque / Convento de Nossa Senhora da Consolação do Bosque / Quinta do Bosque (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / Cerca do Convento de Nossa Senhora de Consolação do Bosque / Quinta do Bosque (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Borba / Borba (Matriz)

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Convento de Nossa Senhora da Consolação foi fundado em 1505 por D. Jaime, duque de Bragança, que ordenou que fosse edificado num bosque situado acima da vila, propriedade da casa ducal. O convento seria entregue aos franciscanos da regra Capucha da Piedade, e o seu fundador determinou que em volta do edifício conventual se mantivesse a mata.
No entanto, devido à pequena dimensão da casa conventual, o duque D. Teodósio mandou que em 1548 se reedificasse o convento. Foi então construído um maior edifício, de traça maneirista, cujo modelo encontra paralelo na estrutura do Convento de São Paulo da Serra d' Ossa, junto a Estremoz. O conjunto conventual de Nossa Senhora da Consolação desenvolve-se em planimetria quadrangular, integrando a igreja e o claustro de dois pisos. O templo apresenta uma fachada de pano único, ladeada por contrafortes, cujo portal principal é precedido por exonártex coberto por abóbada de aresta. O conjunto é rematado por frontão triangular com campanários.
Este modelo de gosto chão, que apresenta grande sobriedade de volumes no exterior do templo, foi pouco alterado pelas campanhas decorativas levadas a cabo nas centúrias seguintes. Cerca de 1670 foram levadas a cabo obras de beneficiação no interior do templo, que visaram sobretudo o altar-mor e os altares laterais, e o espaço conventual.
Com a extinção das Ordens Religiosas em 1834, o Convento de Nossa Senhora da Consolação foi entregue à Fazenda Real, e nos últimos anos do século XIX foi adquirido pelo General Figueiredo de Mascarenhas, que transformou o espaço em quinta de recreio, restaurando a igreja e ampliando a zona de bosque e de pomar.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2005

Bibliografia

Título

O Concelho de Borba Topografia e História

Local

-

Data

-

Autor(es)

ANSELMO, António Joaquim

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos