Saltar para o conteúdo principal da página

Paço da Loba - detalhe

Designação

Designação

Paço da Loba

Outras Designações / Pesquisas

Paço da Loba / Casa da Loba / Casa do Paço (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Sernancelhe / Fonte Arcada e Escurquela

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 250/2011, DR, 2.ª Série, n.º 17, de 25-01-2011 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 14-10-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 7-01-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 19-09-2008 da DRC do Norte para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 3-02-2005 do presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 26-01-2005 da DR do Porto

ZEP

Declaração de rectificação n.º 322/2011, DR, 2.ª série, n.º 27, de 8-02-2011 (retifica para: fixa a ZEP conjunta do paço da Loba, da igreja matriz de Fonte da Arcada e do Pelourinho de Fonte da Arcada) (ver Diploma)
Portaria n.º 250/2011, DR, 2.ª série, n.º 17, de 25-01-2011 (sem restrições) (dispõe que o Paço da Loba beneficia da ZEP coincidente com a ZEP conjunta da igreja matriz de Fonte da Arcada e Pelourinho de Fonte da Arcada) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 14-10-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 7-01-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 19-09-2008 da DRC do Norte para a ZEP conjunta da Fonte Arcada (Paço da Loba, Igreja Matriz e Pelourinho)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Antiga Casa da Câmara de Fonte Arcada, desconhece-se a data de construção original do edifício. É possível que tenha sido edificado na Baixa Idade Média, pelos séculos XIII ou XIV, conforme se sugere pelo estranho motivo decorativo num modilhão associado à porta principal e que conferiu mesmo o nome ao conjunto: um animal quadrúpede, localmente interpretado como "Loba". Ainda de acordo com a tradição, crê-se que o edifício tenha pertencido a D. Fernão Sanches, filho bastardo de D. Dinis.
O actual conjunto edificado, apesar de ter sido objecto de múltiplas transformações, assegura um claro passado medieval, visível, sobretudo, no aparelho construtivo irregular, contrastante com as fases posteriores. Com dois pisos, os vãos que animam os alçados são quinhentistas, ainda levemente vinculados ao ciclo manuelino, privilegiando as aberturas rectangulares, as duas principais providas de grelha pétrea com tratamento escultórico sumário. Junto à fachada principal, originalmente dotada de alpendre (de que ainda se conservam duas mísulas), foi edificada uma escadaria longitudinal, que permite o acesso directo ao piso superior e que truncou qualquer vão de ingresso ao inferior.
Paulo Fernandes | DIDA | IGESPAR, I.P.
30.07.2007

Imagens