Saltar para o conteúdo principal da página

Casa dos Almadas - detalhe

Designação

Designação

Casa dos Almadas

Outras Designações / Pesquisas

Casa D. Nuno / Casa dos Almada / Casa D. Nuno(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Cascais e Estoril

Endereço / Local

Rua Asse das Três
Cascais

Número de Polícia: 5

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Aviso de 6-10-2006 da CM de Cascais publicado no Boletim Municipal de 12-10-2006
Despacho de 13-09-2006 da Vereadora da Cultura, Educação e Assuntos Sociais e Saúde da CM de Cascais a homologar a classificação como de IM
Despacho de arquivamento de 21-02-2005 do presidente do IPPAR
Proposta de arquivamento 9-02-2005 da DR de Lisboa, por não ter valor nacional
Pedido de parecer de 26-11-2004 da CM de Cascais sobre a eventual classificação como de IM
Deliberação de 18-11-2002 da CM de Cascais a determinar o interesse na abertura de procedimento de classificação como de IM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
A casa dos Almadas, também conhecida como casa D. Nuno, situa-se num pequeno promontório sobre a praia da Rainha onde outrora existiu uma estrutura defensiva. Na sua envolvência encontram-se outros exemplares da chamada arquitetura de veraneio, como a Casa Lencastre de traça italianizante, o Chalet Loulé construído segundo o paradigma francês, o Chalet Faial, seguindo o modelo suíço e o Chalet Palmela de estilo inglês. Todos estes imóveis integram um conjunto arquitetónico muito representativo do ecletismo e exotismo que marcou a vila de Cascais dos finais do século XIX, primeira metade do século XX.
A Casa dos Almadas, conjuga a influência dos chalets suíços com elementos da arquitetura tradicional, filiados na denominada Casa Portuguesa de Raul Lino. Na verdade, os programas definidos por este arquiteto conheceram uma maior divulgação em Cascais naquela que é considerada a segunda fase da arquitetura de veraneio do concelho (HENRIQUES DA SILVA, 1988).
Desenhada em 1922 pelo engenheiro Gastão Benjamim Pinto, a casa desenvolve-se em dois pisos, denunciando uma forte preocupação com a envolvente paisagística, observando-se como todas as portas acedem diretamente à varanda ou ao pequeno jardim sobranceiro ao mar.
Em termos gerais o projeto de Gastão Pinto alicerça-se sobretudo na tradição portuguesa, com a desmultiplicação de fachadas, alpendres e varandas, com a utilização de coberturas de quatro águas e beirados nos corpos principais, à exceção do torreão mais próximo do mar com telhado piramidal, e pela utilização de gelosias de madeira nas janelas de desenho tradicional. No exterior, são visíveis nas fachadas alguns painéis de azulejos figurativos, na sua maioria réplicas dos séculos XVII-XVIII com evocações religiosas, ou figura avulsa nos bancos recortados no muro que rodeia o jardim.
Também no interior são utilizados azulejos na decoração dos quartos e corredores, ostentando sobretudo temáticas marítimas, florais ou simplesmente de figura avulsa. Apesar das obras de reconversão do Solar em Hotel realizadas em 2002 que alteraram significativamente o caráter original deste edifício, subsistem ainda no interior alguns pormenores do projeto original como uma lareira de canto de forma piramidal que pertencia à antiga sala, ou as lajes do fogão da antiga cozinha.
História
Com a vinda da família real para Cascais a partir de 1870, a vila passa a integrar a rota dos mais famosos locais de veraneio do país, seguindo assim um hábito tão em voga na Europa. Como seria de esperar, rapidamente a corte e algumas das mais destacadas figuras da sociedade seguem-lhe o exemplo. Se no início vão começar por ocupar as pobres e acanhadas casas da vila piscatória, não tardou que se iniciasse a construção de elegantes palacetes ou chalets refletindo assim a moda de outras estâncias balneares europeias. A construção da casa dos Almadas foi, como o nome indica, resultado de uma encomenda D. Nuno Miguel d'Almada Lencastre que, tal como outros notáveis da sociedade portuguesa de finais do século XIX, inícios do XX, aos poucos vão ocupando os locais mais privilegiados da costa.
Maria Ramalho/DGPC/2015.Colaboração de Sónia Sousa/CMCascais

Imagens

Bibliografia

Título

Cascais Menino

Local

Cascais

Data

1981

Autor(es)

FALCÃO, Pedro

Título

Cascais

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

SILVA, Raquel Henriques da

Título

Cascais Vila de Corte. Oito séculos de história

Local

Cascais

Data

1964

Autor(es)

ANDRADE, Ferreira de

Título

Monografia de Cascais

Local

Cascais

Data

1969

Autor(es)

ANDRADE, Ferreira de, CASTELO BRANCO, António de

Título

A arquitectura de veraneio: os Estoris. 1880-1930.

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

BRIZ, Maria da Graça Gonzalez

Título

Memórias da linha de Cascais

Local

Cascais

Data

1943

Autor(es)

COLAÇO, Branca de Gonta, ARCHER, Maria

Título

Cascais. Guia para uma visita

Local

Cascais

Data

1983

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d'