Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Nossa Senhora das Neves - detalhe

Designação

Designação

Capela de Nossa Senhora das Neves

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Nossa Senhora das Neves(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Montalegre / Vilar de Perdizes e Meixide

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 383/2011, DR, 2.ª Série, n.º 36, de 21-02-2011 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 13-10-2009 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 19-03-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 30-01-2007 da DR do Porto para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 27-01-2005 do presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 21-12-2004 da DR do Porto

ZEP

Portaria n.º 383/2011, DR, 2.ª Série, n.º 36, de 21-02-2011 (sem restrições) (ZEP do Paço de Vilar de Perdizes e da Capela de Nossa Senhora das Neves) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 13-10-2009 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 19-03-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 30-01-2007 da DR do Porto

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A capela é um pequeno volume de planta longitudinal, com telhado de duas águas e um único espaço interno. Enquadra-se num tipo de arquitectura religiosa vulgar, intemporal, sem características formais ou decorativas notáveis. Implanta-se numa das entradas da povoação, que por sua vez integrava um dos itinerários de peregrinação para Santiago de Compostela, como aliás comprova a existência de um "hospital" no Paço de Vilar de Perdizes , com obrigação de albergar e apoiar os peregrinos. Embora a capela não atinja qualquer distinção no plano arquitectónico, o programa iconográfico agora descoberto merece toda a distinção e relevo. As pinturas organizam-se numa estrutura retabular tripartida, perspectivada, a imitar talha dourada maneirista. A imagem do "Padre Eterno" coroa a secção central e os restantes painéis relatam o "Milagre de Nossa Senhora das Neves" com a fundação da igreja de "Sta. Maria Magiore" em Roma. Segundo o parecer do Prof. Luís Afonso as pinturas «destacam-se claramente no panorama fresquista português pela elevada qualidade técnica que possuem e pela sua erudição plástica (...) são pinturas que desenvolvem um discurso narrativo bastante complexo e apresentam uma virtuosa linguagem maneirista ... ». Ainda segundo o mesmo investigador, «estamos em presença de um dos melhores testemunhos de pintura mural da segunda metade do século XVI que o país possui.»

Imagens