Saltar para o conteúdo principal da página

Imóvel conhecido como "Velho Mirante" - detalhe

Designação

Designação

Imóvel conhecido como "Velho Mirante"

Outras Designações / Pesquisas

Edifício O Velho Mirante(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Odivelas / Pontinha e Famões

Endereço / Local

Rua de Santo Eloy
Pontinha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Deliberação de 26-01-2005 da CM de Odivelas a aprovar a classificação como de IM
Despacho de concordância de 28-11-2004 do presidente do IPPAR
Informação favorável de 2-11-2004 da DR de Lisboa
Pedido de parecer de 9-07-2004 da CM de Odivelas sobre a classificação como de IM
Deliberação de 5-05-2004 da CM de Odivelas a aprovar a abertura da instrução do processo de classificação como de IM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O imóvel conhecido como "Velho Mirante" é um dos mais importantes edifícios da atual freguesia de Pontinha tendo na origem sido edificado propositadamente junto à principal via da zona, com ligação direta à capital, ainda hoje um eixo viário importante. Uma fotografia aérea da Pontinha, efetuada em 1940, revela que o imóvel correspondia a um vértice de um espaço de cruzamento de vias, tal como hoje ainda se verifica, desenvolvendo-se, à sua frente, um adro delimitado por outras construções de baixa volumetria e por um pequeno pinhal. Paralelamente, esta imagem evidencia ainda que, anexa ao edifício, existia uma propriedade agrícola, cercada por um muro, algo que hoje desapareceu por completo para dar lugar a uma intensa urbanização.
De planta trapezoidal, o edifício organiza-se em dois pisos, estando a fachada principal virada para o cruzamento. Esta possui ao centro e no registo inferior, uma ampla entrada de arco de volta perfeita, com portão de ferro forjado, entrada esta sobrepujada, no andar superior, por uma janela de sacada, de lintel reto e bandeira do arco retangular. A frontaria é delimitada por grossas pilastras que se desenvolvem até ao telhado, secionadas por incisões horizontais que se prolongam pelos andares inferiores das fachadas laterais. Nestas, apenas os pisos superiores possuem elementos divisores, neste caso uma janela idêntica à da frontaria, aberta axialmente no alçado. A fachada posterior, considerada de serviço, não possui a mesma monumentalidade (apesar de estar organizada de forma tripartida, com corpo central ligeiramente saliente, ladeado por dois outros simétricos), estando-lhe adossada uma escadaria, com patamar intermédio e varandim protegido por longa grelha férrea que dá acesso ao segundo andar.
O interior encontra-se infelizmente bastante adulterado pelas alterações de uso, nomeadamente a transformação em espaço comercial de restauração. Assim, o primeiro piso é uma sala única, destinada a clientes, funcionando a cozinha num anexo construído posteriormente. No andar superior existe uma sala octogonal, convertida em salão multi-usos, cujas paredes e teto apresentam exemplos de pintura mural com representações de paisagens, motivos florais e animais.
História
A inexistência de um rigoroso estudo monográfico do imóvel faz com que sejam muitas as dúvidas a respeito das suas origens e da curiosa designação com que passou à posteridade. É provável que a sua edificação date do século XVIII, eventualmente da parte final da centúria, na medida em que denota algumas características já pombalinas (em particular no registo inferior). Também se tem aventado a hipótese de ter funcionado como uma estação da malaposta ou como edifício da Quinta da Freira, uma das mais importantes propriedades rurais da zona, sendo de assinalar a referência a um edifício semelhante na Quinta do Falcão, uma propriedade rural dos séculos XVIII e XIX situada também na região. Em Maio de 1994 o conjunto sofreu um incêndio e, em 2001, foi adaptado a restaurante.
Paulo Almeida Fernandes/IPPAR/2005. Atualizado por Maria Ramalho/DGPC/2016.

Imagens

Bibliografia

Título

Memórias da Pontinha

Local

Pontinha

Data

1999

Autor(es)

PEREIRA, José Baptista

Título

Pelos subúrbios e vizinhanças de Lisboa

Local

-

Data

1910

Autor(es)

PEREIRA, Gabriel