Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Carvalhal - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Carvalhal

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Carvalhal / Cruzeiro do Carvalhal (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Seia / Paranhos

Endereço / Local

Rua dos Cruzeiros
Carvalhal

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A antiga povoação de Paranhos, hoje Paranhos da Beira, foi provavelmente repovoada no reinado de D. Dinis. Era curato da apresentação do cabido da Sé de Coimbra. Não se lhe conhece foral, mas um monumento da vila, situado no lugar de Carvalhal da Louça, é tradicionalmente designado como pelourinho do Carvalhal, testemunhando um anterior estatuto concelhio. Ainda assim, nas Inquirições de 1527, Paranhos é referida apenas como lugar do termo de Seia.
O suposto pelourinho está actualmente transformado em cruzeiro, não restando nada da construção original, para além da base onde assenta a cruz. O cruzeiro eleva-se sobre plataforma de três degraus quadrangulares, de aresta, já bastante desgastados, estando o inferior, mais elevado, parcialmente embebido no pavimento. A base da cruz é aproximadamente cúbica, com faces molduradas, e encimada por duas molduras quadradas decrescentes. Sobre esta levanta-se uma grande cruz latina, construída em betão, de factura moderna e desprovida de interesse artístico.
A base do cruzeiro exibe alguma decoração, parcialmente ilegível. Em duas faces pode ver-se um motivo geométrico (sol com sete raios, florão ou roda denteada) inscrito num círculo. A datação do bloco é incerta, embora estes motivos ornamentais possuam um carácter bastante arcaico.
Sílvia Leite