Saltar para o conteúdo principal da página

Convento de São João de Cabanas, incluindo a sua mata e os terrenos circundantes, que são parte própria do seu enquadramento arquitectónico e paisagístico - detalhe

Designação

Designação

Convento de São João de Cabanas, incluindo a sua mata e os terrenos circundantes, que são parte própria do seu enquadramento arquitectónico e paisagístico

Outras Designações / Pesquisas

Convento de São João de Cabanas (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Viana do Castelo / Afife

Endereço / Local

-- -
Cabanas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A fundação primitiva do mosteiro de Cabanas data de 564, sendo atribuída a sua edificação a S. Martinho de Dume. Nas centúrias seguintes, o mosteiro prosperou economicamente, tornando-se senhor de todas as terras circundantes. Segundo as Inquirições de 1258 o mosteiro de Cabanas era de padroado real, tendo sido D. Sancho I a definir os seus limites em 1187. Sucederam-se os comendatários, e cerca de 1382 o mosteiro passou para a Ordem de São Bento, tornando-se uma casa de convalescença e repouso de doentes.
O complexo conventual foi reformulado no início do século XVII, numa campanha de obras que lhe conferiu o aspecto actual. A estrutura seiscentista do convento apresenta um modelo maneirista erudito com programa decorativo de raiz flamenga. A igreja, de pequenas dimensões, possui planta longitudinal de nave única, à qual foi adossada na fachada lateral esquerda a torre sineira, de secção quadrangular, e na fachada lateral direita as dependências conventuais, de que se destaca o claustro, também de planta quadrangular.
O programa decorativo é de grande sobriedade, de acordo com as linhas austeras do edifício, tendo o seu autor optado por elementos decorativos como os pináculos e as volutas. O portal de moldura rectangular simples é rematado por frontão interrompido e encimado por um nicho, decorado por volutas e enrolamentos, com a imagem de São João, ladeado por janelas gradeadas. O corpo da igreja e a torre sineira são rematados por pináculos e cobertura cónica.
O claustro, de dimensões reduzidas, foi edificado numa linguagem clássica, apresentando dois registos, o primeiro com arcada assente em colunas toscanas, e o segundo com janelas separadas por colunelos de cantaria. Ao centro da quadra do claustro foi edificada uma fonte com tanque circular decorado por volutas e imagem escultórica ao centro.
Em 1834, com a extinção das Ordens Religiosas, o convento e a propriedade circundante passou para a alçada da Fazenda Nacional, sendo vendido em Março desse ano em hasta pública ao General Luís do Rego, Visconde de Geraz do Lima; a partir de então o convento teria vários proprietários. No século XX o Convento de São João de Cabanas ficou conhecido por ser o local de férias do poeta Pedro Homem de Mello.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2004

Imagens

Bibliografia

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

O mosteiro de São João de Cabanas e o moinho da devesa no século XVIII, in Cadernos Vianenses, vol. 13

Local

Viana do Castelo

Data

1989

Autor(es)

FARIA, Horácio