Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício de interesse histórico existente dentro das muralhas do Castelo da Covilhã - detalhe

Designação

Designação

Edifício de interesse histórico existente dentro das muralhas do Castelo da Covilhã

Outras Designações / Pesquisas

Cisterna medieval existente dentro das muralhas do Castelo da Covilhã / Cisterna da Covilhã (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Cisterna

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Covilhã / Covilhã e Canhoso

Endereço / Local

-- dentro das muralhas do Castelo da Covilhã, sob o prédio da Rua 1.º de Dezembro, 10
Covilhã

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A rua 1º de Dezembro foi uma das mais importantes artérias da Covilhã medieval, ligando a principal praça intra-muros (o adro da Igreja de Santa Maria Maior) à Porta de São Vicente, no extremo Sul da cerca, e estabelecendo a comunicação também com as Portas do Sol, através de outros arruamentos. Não admira, por isso, que algumas parcelas urbanísticas baixo-medievais, que entretanto se conservaram no centro histórico da cidade, se localizem, precisamente, nesta via.
O imóvel com o nº10 não é propriamente medieval, uma vez que foi reformulado na época moderna, eventualmente no século XVI, tendo recebido ainda obras posteriores, já na transição para a contemporaneidade.
No seu interior conserva-se uma cisterna medieval, edificada com grande probabilidade no século XIV, de planta rectangular coberta por abóbada de canhão e acessível por arco de volta perfeita, de impostas salientes, que acompanha a curvatura da abóbada. É uma cisterna em forma de túnel, originalmente alimentada por um canal de granito, conservado in situ, que tinha como missão a canalização de água desde os afloramentos subterrâneos. A sua atribuição ao século XIV não está ainda comprovada, mas o facto de os silhares apresentarem siglas indica estar-se em presença de uma obra claramente gótica.
A localização desta cisterna na malha urbana, muito próxima dos antigos Paços do Concelho, sugere que se tenha tratado de um empreendimento de carácter civil, destinado a aproveitar uma nascente intra-muros e cuja racionalização se ajustava às necessidades de armazenamento estratégico de água em caso de ameaça militar e cerco prolongado.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Covilhã - percursos de uma história secular

Local

Covilhã

Data

2003

Autor(es)

GOMES, Paulino