Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Velha de São Cipriano de Taboadelo - detalhe

Designação

Designação

Igreja Velha de São Cipriano de Taboadelo

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Velha de São Cipriano de Tabuadelo / Igreja Paroquial de Tabuadelo / Igreja de São Cipriano / Igreja Velha (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Guimarães / Tabuadelo e São Faustino

Endereço / Local

- -
Igreja Velha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A sensivelmente 6 Km. da cidade de Guimarães, a pequena localidade de Tabodelo conserva um dos mais interessantes testemunhos do românico rural e tardio, actualmente remanescentes no Entre-Douro-e-Minho.
A capela é conhecida como igreja velha de São Cipriano, indicador claro da sua antiguidade, a que alguns elementos documentais vêem ajudar a clarificar. Assim, em 968, um antiga notícia refere que o abade do Mosteiro de Guimarães doou a propriedade, que detinha em Tabuadelo, ao conde Gonçalo Mendes, que aí edificou uma primitiva igreja, dedicada precisamente a São Cipriano. Desse primeiro templo, pré-românico, aparentemente nada chegou até nós.
Na época românica, já na viragem para o século XIII, o edifício foi completamente reformulado, procedendo-se, então, à construção que hoje vemos. Em termos artísticos, esta igreja insere-se no que se convencionou chamar Românico tardio, ou de transição. Caracteriza-se por uma planta muito simples, baseada na justaposição de dois rectângulos (a nave e a capela-mor), por um enorme despojamento artístico (com portais sem decoração, ausência de modilhões e de capitéis) e uma estrutura extraordinariamente maciça (com grandes silhares toscamente talhados e estreitas frestas verticais a filtrar a luz para o interior).
A antiga freguesia que tutelava rapidamente entrou em decadência, arrastando consigo a pequena capela. Tal facto, acentuado ao longo de toda a época moderna, culminou com a privatização do próprio terreno e posterior alienação desta parcela de território. Ainda em 1892, na sequência de várias reformulações de outros templos nas imediações de Guimarães, a capela foi enriquecida com um retábulo e uma tribuna, provenientes da igreja de São Sebastião de Toural, mas o aspecto actual do conjunto é desolador. Sucessivamente assaltada, nos últimos anos, a igreja velha de São Cipriano é um monumento anunciador de ruína, cuja inversão de sentido se impõe a breve prazo.
PAF

Imagens