Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Ázere - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Ázere

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Ázere (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Tábua / Ázere e Covelo

Endereço / Local

Largo do Pelourinho
Ázere

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Ázere, actual freguesia do concelho de Tábua, chegou a ser vila e sede de concelho até 1836. No princípio da sua longa história, foi couto instituído por D. Teresa e D. Afonso Henriques. O foral outorgado em 1136, apelidado nos documentos da época de "Foro de Sena", abrangia Ázere, assim como todo o actual concelho de Tábua, como se pode verificar pelas Inquirições de D. Afonso III, que deu novo foral à pequena povoação em 1254. Não se conhece nenhum documento posterior, embora o seu pelourinho seja presumivelmente do século XVIII, e inclua pelo menos um elemento datável do século XVI.
O monumento ergue-se sobre uma plataforma larga, encimada por um único degrau quadrangular, de rebordo, e pela base prismática da coluna, composta por uma secção quadrangular, seguida por uma moldura em meia-cana e por novo troço quadrangular de secção ligeiramente menor. A coluna possui dois curtos troços quadrangulares nas extremidades, cujos bordos chanfrados definem a secção oitavada do fuste. No topo deste assenta directamente um ábaco quadrangular, encimado por molduras crescentes com a mesma secção. O remate é constituído por um pináculo tronco-piramidal, de base quadrada, decorado com pequenas carrancas salientes nos ângulos inferiores, e terminado por uma bola que intercepta o vértice. Sobre esta bola figura uma esfera armilar esquemática, em ferro. Esta peça de remate é nitidamente mais antiga que o resto do pelourinho, sendo provavelmente quinhentista. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde