Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Silves - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Silves

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Silves(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Silves / Silves

Endereço / Local

Rua do Pelourinho
Silves

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A antiga capital do domínio islâmico algarvio foi conquistada duas vezes por tropas portuguesas. A primeira, em 1189, sob o comando de D. Sancho I, permitiu um controle efémero, mas a segunda, na década de 40 do século XIII, estando a condução da operação a cargo de D. Paio Peres Correia, mestre da Ordem de Santiago, favoreceu um domínio longo e duradouro. Nos primeiros tempos da nova ordem portuguesa, o estatuto de Silves não sofreu alterações, mantendo-se como capital do Algarve e, tão ou mais importante, como sede da diocese algarvia. Agraciada com foral em 1266, por D. Afonso III, os seus "mouros" foram objecto de legislação régia três anos depois, à semelhança do que havia acontecido com os "mouros forros" de Lisboa, Almada e Palmela.
No caminho para a Modernidade, Silves perdeu fulgor, em benefício das localidades costeiras, primeiro Lagos e depois, e definitivamente, Faro. No entanto, ainda na sua Sé se sepultou D. João II, falecido em Alvor e só mais tarde trasladado para o Mosteiro da Batalha. No reinado de D. Manuel, o monarca passou novo foral à cidade (1505) e deve datar desse momento a construção de um primitivo pelourinho.
O que chegou até aos nossos dias em estado deplorável, todavia, não data dos primeiros anos do século XVI, mas sim do reinado de D. Maria I, momento em que a autoridades da cidade resolveram actualizar esteticamente um dos seus mais preciosos símbolos.
Ao que tudo indica, o monumento que simbolizava a municipalidade de Silves e a sua independência face a outras terras vizinhas, localizava-se na Praça do Município, intra-muros e onde ainda existe a sua memória no topónimo "Rua do Pelourinho". Em 1878, aquando do asfaltamento da via que ligava a cidade a São Bartolomeu de Messines, a Câmara Municipal decidiu removê-lo desse local, por obstruir tão importante obra, e o monumento foi desmantelado e disperso por vários locais. Uma das partes, o seu coroamento, esteve, durante largos anos, embutido num muro privado. Pouco depois dessa destruição, a dinâmica gerada em torno do Museu Infante D. Henrique, em Lagos, esteve prestes a reunir todo o antigo pelourinho e a transportá-lo para o museu, mas tal intento não chegou a ser concretizado.
Alguns anos depois, a mesma autarquia que havia deliberado para a sua remoção, decidiu remontá-lo. No entanto, já não foi possível identificar todas as partes constituintes e, assim, apenas a coroa se pode assumir como original. Esta é decorada com uma série de flores-de-lis e toda a estrutura pretende copiar o primitivo monumento, que foi ainda descrito por Júdice Mascarenhas em 1911. Por esta informação, que é muito próxima da própria destruição do conjunto, sabemos que o pelourinho se apoiava num pedestal quadrangular de três degraus e era constituído por fuste quadrado de aproximadamente 2,5 metros de altura. Seguia-se o capitel, onde se apoiavam quatro ferros em forma de cruzeta e, finalmente, o coroamento, com coroa real e uma pequena terminação em ferro.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Corografia ou memoria economica, estadistica, e topografica do reino do Algarve

Local

Lisboa

Data

1841

Autor(es)

LOPES, João Baptista da Silva

Título

Atravez de Silves (1ª parte)

Local

Silves

Data

1911

Autor(es)

JÚDICE, Pedro

Título

Silves. Guia turístico da cidade e do concelho

Local

Silves

Data

2002

Autor(es)

DOMINGUES, José Domingos Garcia

Título

Silves. Guia turístico

Local

Silves

Data

1958

Autor(es)

DOMINGUES, José Domingos Garcia