Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Misericórdia - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Misericórdia

Outras Designações / Pesquisas

Igreja da Misericórdia de Silves / Igreja da Santa Casa da Misericórdia de Silves(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Silves / Silves

Endereço / Local

Rua da Sé
Silves

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 44 075, DG, I Série, n.º 281, de 5-12-1961 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Implantada em pleno centro nevrálgico da cidade amuralhada, diante do portal principal da Sé e muito perto da cota mais alta do acentuado declive da cidade, a igreja da Misericórdia de Silves é um dos mais emblemáticos edifícios da urbe, estatuto para que muito contribui o portal lateral manuelino, único elemento da construção original que ainda actualmente se conserva.
Com efeito, data de inícios do século XVI a edificação da primitiva igreja da Misericórdia de Silves. O portal lateral, hoje ligeiramente acima da cota da rua, denuncia claramente essa cronologia, compondo-se de duas arquivoltas profusamente decoradas com elementos característicos da simbólica manuelina, como os toros que saem da boca de uma figura aparentemente demoníaca, as bases polifacetadas, ou ainda o perfil contracruvado do arco.
Todo o restante edifício foi profundamente alterado na época moderna ou, em alternativa, as obras terão demorado demasiado a ponto de o projecto inicial, manuelino, ter sido convertido em maneirista. A construção que hoje vemos data, com grande probabilidade, da segunda metade do século XVI, como parece testemunhar a estrutura tardo-quinhentista do templo. A fachada principal, virada a Sul, é bastante simples, compondo-se apenas de um portal de arco de volta perfeita enquadrado por uma moldura rectangular, esta sobrepujada por um frontão triangular. O interior aponta igualmente para uma datação quinhentista avançada, como o prova a abóbada de berço que cobre a sua nave única, e o retábulo-mor, este já do século XVII. Encaixadas na sua moldura de talha, várias pinturas representam as obras corporais de Misericórdia, tema que tem claras analogias com o executado para a Misericórdia de Faro (NOÉ e GORDALINA, 2002).
No século XVIII, após o terramoto de 1755, a igreja foi objecto de algumas obras, construindo-se uma nova Casa do Despacho e renovando-se alguns elementos decorativos do interior. Mais recentemente, o restauro do século XX, iniciado em 1946, levou à definição do aspecto global que a igreja hoje apresenta. Entre os trabalhos então executados, salienta-se o apeamento do coro e a renovação integral do pavimento.
Apesar da aparente singeleza da construção, patente nas paredes despidas e com poucas aberturas para iluminação, a igreja da Misericórdia de Silves mantém a sua imponência de outrora, não apenas pelo local privilegiado em que se encontra implantada, mas também pela excelência do portal lateral, um dos elementos mais importantes do ciclo manuelino actualmente conservados no barlavento algarvio.

Imagens

Bibliografia

Título

As Misericórdias do Algarve

Local

Lisboa

Data

1968

Autor(es)

PINTO, Maria Helena Mendes, PINTO, Victor Roberto Mendes

Título

As sete obras corporais de Misericórdia pintadas no retábulo maneirista da Misericórdia de Silves, Monumentos, nº23, pp.116-127

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Tesouros artísticos do Algarve

Local

-

Data

1990

Autor(es)

ROSA, José António Pinheiro e

Título

Silves. Guia turístico da cidade e do concelho

Local

Silves

Data

2002

Autor(es)

DOMINGUES, José Domingos Garcia

Título

Silves. Guia turístico

Local

Silves

Data

1958

Autor(es)

DOMINGUES, José Domingos Garcia

Título

Decoração arquitectónica manuelina na região de Silves (séculos XV-XVI), Revista Xelb, nº3, 1996, pp.79-142

Local

Silves

Data

1996

Autor(es)

RAMOS, Manuel Francisco Castelo