Saltar para o conteúdo principal da página

Castro de Sabariz - detalhe

Designação

Designação

Castro de Sabariz

Outras Designações / Pesquisas

Povoado fortificado de Sabariz / Castro de Sabariz(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Castro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Viana do Castelo / Mazaferes e Vila Fria

Endereço / Local

Monte de Santo Amaro
Sabariz

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 44 452, DG, I Série, n.º 152, de 5-07-1962 (ver Decreto)
Despacho de homologação de 16-01-1962 do Secretário de Estado da Educação Nacional
Informação de 22-11-1961 da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 20-07-1961 da DGEMN

ZEP

Portaria de 22-04-1963, publicada no DG, II Série, n.º 106, de 4-05-1963 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 22-04-1963, publicada no DG, II Série, n.º 106, de 4-05-1963

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Foi no decorrer de uma limpeza do monte sobranceiro à povoação de Sabariz, por iniciativa das autoridades e população local, que, em meados do século passado, se descobriram os vestígios daquele que viria a ser identificado como sendo um povoado fortificado. Com efeito, foi o coronel Mário Cardoso, conhecido arqueólogo e um dos membros mais activos da "Sociedade Martins Sarmento", fundada no século XIX por Francisco Martins de G. M. Sarmento (1833-1899), na cidade de Guimarães, quem, após visitar o local, promoveu o reconhecimento preliminar do arqueossítio.
Erguido durante a Idade do Ferro da região, o povoado encontrava-se dotado de um sistema defensivo constituído por duas linhas de muralha, reforçado a Oeste por um fosso na base da ordem exterior, assim como pela presença de duas "asas", possivelmente destinadas a reforçar a zona de entrada do núcleo habitacional inserido no perímetro interno da primeira cinta muralhada. Não surpreenderá, pois, que tivesse residido, precisamente, no excelente domínio que detinha sobre a paisagem envolvente uma das razões pelas quais foi utilizado em pleno período de ocupação romana do actual território português, designadamente durante o século I d.C, do qual datarão os vestígios romanos recolhidos no local.
A par do "Castro do Santinho", encontra-se nas suas imediações a "Capela de Sto. Amaro", num testemunho claro da prática ancestral de reutilização dos mesmos espaços, não apenas como exercício da sua permanente ritualização sagrada, como, sobretudo, de imposição de novos poderes temporais e espirituais em locais com forte significado simbólico regional e/ou local e posicionamento geo-estratégico.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Proto-História e Romanização da Bacia inferior do Lima, Estudos Regionais

Local

Viana do Castelo

Data

1998

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Brochado de

Título

Os Castros do Norte de Portugal

Local

Porto

Data

1965

Autor(es)

NEVES, Leandro Quintas