Saltar para o conteúdo principal da página

Abrigo Pinho Monteiro - detalhe

Designação

Designação

Abrigo Pinho Monteiro

Outras Designações / Pesquisas

Abrigo rupestre na Herdade do Monte / Abrigo Pinho Monteiro(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Abrigo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Arronches / Esperança

Endereço / Local

E.M. Esperança - Nave Fria, Herdade de Monte Novo, Serra da Cabaça
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Identificado em 1981 pelo malogrado arqueólogo Jorge Pinho Monteiro, na Serra de Monte Novo, a noroeste da serra dos Louções, o "Abrigo Pinho Monteiro" (assim denominado em homenagem àquele investigador) apresenta-se composto de uma sala de consideráveis dimensões, com cerca de dois metros de altura. Dispostas ao longo do tecto e das paredes laterais, as pinturas terão sido executadas durante o Neolítico final, Calcolítico inicial e, já numa última fase, em plena Idade do Bronze, como parecem confirmar os artefactos exumados durante a sondagem efectuada no seu interior (de entre os quais foram encontrados fragmentos de recipientes cerâmicos, designadamente de exemplares campaniformes), assim como a própria análise das representações existentes e o estudo do ecossistema que envolveria, à época, este "santuário de montanha" (GOMES, Mário Varela, 1989, p. 232).
Efectuados a ocre vermelho, os elementos antropomórficos, pectiformes e ramiformes reconhecidos encontram-se distribuídos de modo isolado sem uma clara preocupação compósita. Segundo Mário Varela Gomes (Ibid.), as três tonalidade de ocre com que forma executadas poderão apontar para três momentos estilísticos e culturais assaz diferenciados. Realizadas com intuitos cultuais entre o Neolítico e a Idade do Bronze da área abrangida pela denominada "Arte esquemática da Andaluzia", estas pinturas poderão ser inseridas no movimento, algo, tardio, de um notável ciclo avultado em diversas regiões meridionais da Península Ibérica.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Arte Rupestre da Freguesia da Esperança (Concelho de Arronches), 1ªs Jornadas de Arqueologia do Nordeste Alentejano

Local

Arronches

Data

1987

Autor(es)

PESTANA, Manuel Inácio

Título

Arronches. Abrigo Pinho Monteiro - 1982, Informação Arqueológica

Local

Lisboa

Data

1985

Autor(es)

GOMES, Mário Varela

Título

Les peintures rupestres schématiques de la Péninsule Ibérique

Local

Lagny

Data

1935

Autor(es)

BREUIL, Henri

Título

Pré-História em Portugal

Local

Lisboa

Data

1972

Autor(es)

SANTOS, Manuel Farinha dos

Título

Arte Rupestre pós-glaciária. Esquematismo e abstração, História da Arte em Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

BAPTISTA, António Martinho

Título

Arte Rupestre e contexto Arqueológico, Almansor

Local

Montemor-o-Novo

Data

1989

Autor(es)

GOMES, Mário Varela