Saltar para o conteúdo principal da página

Um marco de légua no sítio denominado Casal do Canha - detalhe

Designação

Designação

Um marco de légua no sítio denominado Casal do Canha

Outras Designações / Pesquisas

Marco de légua em Casal do Canha(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Marco

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Alenquer / Alenquer (Santo Estêvão e Triana)

Endereço / Local

Casal do Canha
Triana

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 32 973, DG, I Série n.º 175, de 18-08-1943 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Este marco de légua é uma característica obra do reinado de D. Maria I, rainha que promoveu uma série de melhoramentos na rede viária do antigo termo de Lisboa. Implanta-se ao Km 29,270 da EN1, pouco antes da Quinta da Bemposta, num sector da via conhecido como Estrada da Várzea.
Tipologicamente, é semelhante aos marcos que ainda se conservam no concelho de Vila Franca de Xira: uma poderosa base paralelipipédica, disposta verticalmente, compõe a base; o coroamento é mais cuidado, com ampla bola dotada de relógio de Sol assente sobre base piramidal. A face principal do bloco é limitado por pequena moldura, onde se inscreveu uma longa epígrafe comemorativa da construção do monumento e respectiva datação: "N. VII LEGOA / D. MARIA I / RAINHA FIDELISSIMA DE PORTUAL / NOSSA SENHORA / PIA ILUSTRE MEMORÁVEL / PARA UTILIDADE PÚBLICA / MANDOU DEMARCAR COM ESTE PADRÃO / AS LEGOAS DA CIDADE DE LISBOA CAPITAL / DO REINO PARA AS PROVÍNCIAS COM / DISTÂNCIA DE TRÊS MIL OITOCENTOS E / QUATRO PASSOS GEOMÉTRICOS / SENDO INSPECTOR GERAL DAS ESTRADAS REAIS E OBRAS PUBLICAS DE RIBATEJO / D. JOSÉ LUIS DE MENESES CONDE DE VALADARES, NO ANNO DE MDCCLXXXVIII / UN DECIMO DESTE FELICISSIMO / REINADO" (DGEMN, on-line).
Esta epígrafe é clara quanto à datação da peça (1788) e quanto ao contexto de edificação, informando ainda acerca da condução do processo de melhoramento das vias terrestres a partir de Lisboa. O único elemento decorativo associado (uma asa de morcego junto à moldura da inscrição) inscreve este espécime dentro do estilo rococó, embora esta apreciação seja pouco perceptível.
Apesar das múltiplas obras verificadas no século XX, não consta que se tenham promovido trabalhos de restauro no conjunto, que não foi, também, deslocado ou ameaçado de alguma forma pelas necessidades de alargamento da via.
PAF

Bibliografia

Título

O concelho de Alenquer - subsídios para um roteiro de arte e etnografia

Local

Alenquer

Data

1989

Autor(es)

MELO, António de Oliveira, GUAPO, António Rodrigues