Saltar para o conteúdo principal da página

Um marco de cruzamento no sítio denominado Alvarinho - detalhe

Designação

Designação

Um marco de cruzamento no sítio denominado Alvarinho

Outras Designações / Pesquisas

Marco de cruzamento no Casal Alvarinho / Marco de Cruzamento em Alvarinho(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Marco

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Alenquer / Alenquer (Santo Estêvão e Triana)

Endereço / Local

Casal Alvarinho
Triana

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 32 973, DG, I Série n.º 175, de 18-08-1943 (classificou como "Um marco de cruzamento a reconstruir no sítio denominado Alvarinho") (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O deslocado marco do Casal de Alvarinho fazia parte de um ponto específico da estrada entre Leiria e Caldas da Rainha, conforme se comprova pelas inscrições em duas das quatro faces da base: de um lado, a indicação: "estrada / que vem / das Caldas da / Rainha"; e, do outro, "estrada / que se dirige a Leiria". Na origem, esta estrada entroncava com uma outra, bem mais relevante, e que colocava em contacto a capital do reino, Lisboa, com a cidade de Coimbra.
Uma outra parcela do letreiro esclarece o ano de construção do marco e, por arrastamento, dá-nos uma datação aproximada para melhorias eventualmente verificadas naquela via: "Anno de 1788". Esta data corresponde ao reinado de D. Maria I, monarca que, como se sabe, promoveu uma séria de beneficiações na rede viária imediatamente a Norte de Lisboa. A existência deste marco, ainda que sem a relevância e monumentalidade dos que foram colocados ao longo da estrada entre Lisboa e Santarém, é um indicador importante que permite suspeitar de um mais amplo programa de intervenção nas estradas do Distrito de Lisboa.
Efectivamente, há notícia de trabalhos orientados pelo superintendente das estradas e desembargador régio, Mascarenhas Neto, que actuou na dependência de D. J. Luís de Meneses, conde de Valadares e Inspector Geral das Estradas Reais e Obras Públicas. Desconhece-se, todavia, qual a extensão e real natureza das empreitadas então realizadas.
Esteticamente, este marco é um monumento pouco cuidado, caracterizado por uma evidente depuração de linhas e composto por soco e fuste rectangular, cujas duas faces principais ostentam uma pequena moldura, onde se inscreveram as duas secções da inscrição comemorativa. Nas imediações, restam algumas pedras semi-destruídas, que poderiam corresponder ao remate da estrutura.
As mudanças relativamente recentes na rede viária local determinaram a parcial destruição do monumento e respectiva deslocalização para um ponto próximo da implantação original. Na actualidade, situa-se no caminho que conduz à pista de aviação (futuro aeroporto da Ota), constituindo um dos vestígios patrimoniais a preservar nas obras que se prevêem para a zona.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

O concelho de Alenquer - subsídios para um roteiro de arte e etnografia

Local

Alenquer

Data

1989

Autor(es)

MELO, António de Oliveira, GUAPO, António Rodrigues