Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de São Miguel de Urrô - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Miguel de Urrô

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Urrô / Igreja de São Miguel (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Arouca / Urrô

Endereço / Local

Largo da Igreja
Urrô

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 38 491, DG, I Série, n.º 230, de 6-11-1951 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A povoação de Urrô era curato de apresentação do Mosteiro de Arouca, possivelmente desde o século XII, época em que o grande cenóbio cisterciense recebeu a sua carta de couto, doada por D. Afonso Henriques no início do seu reinado.
Embora se desconheça a data de fundação da igreja matriz de Urrô, dedicada a São Miguel, é possível que a sua edificação tenha decorrido entre os últimos anos do século XII e o início do século XIII.
O actual templo resulta de uma reedificação executada na segunda metade do século XVI, embora o programa decorativo do espaço interior tenha sido executado já no século XVIII.
A Igreja de São Miguel de Urrô, um pequeno templo maneirista, de linhas simples e austeras, apresenta um modelo edificado cuja linguagem pouco erudita não deixou, no entanto, de dar origem a uma curiosa estrutura exterior, inspirada possivelmente em formulários medievais. O frontispício do templo, onde foi edificado um simples portal de moldura recta sobreposto por uma janela, é precedido por um nártex onde foi edificado o campanário. Desta forma, foi criado um espaço avançado que antecede o corpo do templo, ligado a este por dois arcos laterais, formando um balcão atrás das sineiras.
Interiormente, o espaço de nave única é precedido pelo coro-alto de madeira assente sobre duas colunas jónicas. Destaca-se o conjunto de retábulos de talha joaninos, dois colaterais e um colocado na capela-mor, possivelmente executados e edificados cerca de 1728, quando foi realizada uma segunda reforma da estrutura da igreja. Também de talha dourada é o revestimento do arco triunfal, onde foi colocada no fecho uma tela com a representação de São Miguel, o padroeiro do templo.
Catarina Oliveira
IPPAR/2005

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos