Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício da antiga Capitania do Porto de Aveiro, também denominado «Casa dos Arcos» (primitiva Escola de Desenho Industrial Fernando Caldeira) - detalhe

Designação

Designação

Edifício da antiga Capitania do Porto de Aveiro, também denominado «Casa dos Arcos» (primitiva Escola de Desenho Industrial Fernando Caldeira)

Outras Designações / Pesquisas

Capitania do Porto de Aveiro / Casa dos Arcos (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Aveiro / Glória e Vera Cruz

Endereço / Local

Rua Viana do Castelo
Aveiro

Número de Polícia: 37

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)
Despacho de homologação de 18-03-1997 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 11-03-1997 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 3-01-1997 da DR de Coimbra para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 5-06-1996 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de classificação de 20-05-1996, de particulares

ZEP

Despacho de 7-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC do Centro para formalizar propostas de ZEP individuais
Parecer favorável de 7-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura, devendo ser fixada uma ZEP para cada imóvel classificado
Proposta de 2-10-2009 da DRC do Centro para a ZEP conjunta do Conjunto arquitectónico constituído pelos edifícios da "Casa Paris"; "Ourivesaria Matias" e "Pastelaria Avenida" e da antiga Capitania do Porto de Aveiro

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O edifício da antiga Capitania de Aveiro é considerado um dos mais significativos exemplos de arte nova na região de Aveiro e do país. As obras que recentemente decorram neste espaço transformaram o edifício, de grande simbolismo, na Sala de Visitas da cidade (Câmara Municipal de Aveiro, 2003), encontrando-se aqui instalada a Assembleia Municipal de Aveiro. A recuperação do imóvel foi um projecto da responsabilidade do Arquitecto Silva Dias, tendo sido inaugurado no dia 25 de Abril de 2004. Para além da Assembleia, está prevista também a instalação de salas de exposições temporárias.
Originalmente, o edifício era uma moagem, projectada em 1830 pelo Arquitecto Joaquim José de Oliveira, por encomenda do fundador da Vista Alegre, José Ferreira Pinto Basto. A implantação junto à Ria, com um grande número de arcos submersos, justifica-se pela sua primeira vocação industrial, quando a fábrica de moagem funcionava com moinhos de maré.
Já no final do século XIX, um projecto do arquitecto Augusto Silva Rocha, responsável pela traça de tantos outros edifícios Arte Nova na cidade, adaptou o imóvel à Escola de Desenho Industrial, da qual era o presidente. A denominada Casa dos Arcos apresenta, no primeiro piso da fachada principal, um conjunto de vãos em arco abatido, unidos pelo varandim de serralharia, com motivos florais, de linguagem Arte Nova.
O segundo piso foi-lhe acrescentado já em 1908. O seu desenho procurou respeitar a arcaria inferior, sendo que a cada arco correspondem duas janelas. Ao centro, a varanda em arco abatido é muito semelhante às restantes, destacando-se este corpo central por ser mais alto e rematado por um frontão triangular, ladeado por volutas. Todo o conjunto é coroado por modilhões.
A entrada para o edifício insere-se na fachada lateral esquerda, situada na Rua principal. A porta tem na bandeira gradeamento Arte Nova e, por cima, um painel de azulejo de dimensões reduzidas, azul e amarelo, com o ano de 1918. Esta, deverá corresponder à última intervenção realizada, que coincide com a data em que o imóvel foi adquirido por um comerciante, antes de ser vendido ao Ministério da Marinha, em 1925.
O azulejo, de motivos florais, surge ainda nesta mesma fachada, mas no segundo piso. Do lado esquerdo, a fachada é mais alta, com um torreão rematado por modilhões, e uma janela com azulejos de temática marítima. Os restantes alçados são relativamente simples, sendo que um portão de gradeamento Arte Nova permite o acesso à zona posterior do edifício.
No novo projecto de reabilitação, assinado por Dias da Silva, a fachada Poente da Capitania foi recuperada, mantendo o seu cromatismo, bem como os elementos decorativos e a relação volumétrica com a cobertura. Por sua vez, a fachada Norte (na Avenida Dr. Lourenço Peixinho), foi reconstruída, e a fachada Sul beneficiou de "um novo desenho com elementos decorativos relacionados com a fachada Poente" (Câmara Municipal de Aveiro).
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Aveiro: Fundos para restauro de Arte Nova desaproveitados, Notícias de Aveiro

Local

Aveiro

Data

2001

Autor(es)

-

Título

Edifício da Capitania em obras, site da Câmara Municipal de Aveiro

Local

Aveiro

Data

-

Autor(es)

-

Título

Aveiro recupera arte nova em ruínas, Jornal Expresso

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

QUEIRÓZ, António Eça de

Título

Aveiro: cidade Arte Nova

Local

Aveiro

Data

1999

Autor(es)

BORGES, Jaime

Título

Francisco da Silva Rocha (1864-1957), Tese de Mestrado em História da Arte, apresentada à Universidade do Porto

Local

Porto

Data

1999

Autor(es)

FERNANDES, Maria João