Saltar para o conteúdo principal da página

Cruzeiro de Almofala - detalhe

Designação

Designação

Cruzeiro de Almofala

Outras Designações / Pesquisas

Cruzeiro de Roquilho
Cruzeiro do Divino Manso Cordeiro / Cruzeiro de Almofala / Cruzeiro de Roquilho / Cruzeiro do Divino Manso(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Cruzeiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Figueira de Castelo Rodrigo / Almofala e Escarigo

Endereço / Local

Cruzamento dos caminhos velhos de Figueira de Castelo Rodrigo a Escarigo, e de Almofala a Almeida, a cerca de 1 km da povoação de Almofala
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Cruzeiro de Almofala ergue-se numa elevação sobre a freguesia, junto a uma encruzilhada, onde passa o caminho velho ligando Figueira de Castelo Rodrigo a Escarigo, cuja igreja matriz integrava a rota de peregrinação local a Santiago de Compostela. O monumento destinava-se a assinalar a rota, demandada pelos peregrinos que, da Beira Baixa, se dirigiam a Santiago pelo caminho ligando a Guarda a Barca d'Alva, e que seguia a partir deste ponto por uma estreita rua de Almofala, conhecida por "calle canta la rana". É um cruzeiro quinhentista, de tipologia manuelina, compondo mais um testemunho da série de construções, melhoramentos e embelezamentos efectuados ao longo dos caminhos de peregrinação compostelanos no reinado de D. Manuel, que realizou a sua peregrinação pessoal em 1502, e era conhecido devoto do Apóstolo.
O cruzeiro, em granito da região, é composto por um soco de dois degraus quadrados, hoje colocados sobre uma larga base calcetada, sobre o qual se levanta a coluna e a cruz. A coluna, com base tronco-cilíndrica, sustenta um capitel prismático onde se destacam as imagens de um cordeiro, alusão cristológica evocada na designação de "cruzeiro do Divino Manso Cordeiro" igualmente dada ao monumento, e da vieira, símbolo de Santiago, juntamente com representações heráldicas. Sobre o capitel pontua a cruz, latina, de braços prismáticos revestidos por esferas. SML