Saltar para o conteúdo principal da página

Fábrica romana de salga integrada nas caves de um edifício na Travessa de Frei Gaspar, 10, em Setúbal - detalhe

Designação

Designação

Fábrica romana de salga integrada nas caves de um edifício na Travessa de Frei Gaspar, 10, em Setúbal

Outras Designações / Pesquisas

Fábrica Romana de Salga, em Setúbal / Fábrica Romana de Salga(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Complexo Industrial

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Setúbal / Setúbal (São Julião, Nossa Senhora da Anunciada e Santa Maria da Graça)

Endereço / Local

Travessa de Frei Gaspar
Setúbal

Número de Polícia: 10

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 26-A/92, DR, I Série-B, n.º 126, de 1-06-1992 (ver Decreto)
Edital N.º 73/86 de 25-03-1986 da CM de Setúbal
Despacho de homologação
Despacho de concordância de 8-11-1985 do vice-presidente do IPPC
Parecer de 4-11-1985 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 25-05-1984 do MAEDS

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As ruínas da Fábrica Romana de Salga foram descobertas em 1979, aquando das obras de construção de um edifício situado na Travessa de Frei Gaspar, em Setúbal. Este complexo industrial destinava-se à preparação de derivados de peixe, incluindo o garum, ou pasta de peixe salgada, que na época constituía valiosa moeda de troca. Setúbal, a Cetobrica romana, era então um importante entreposto comercial, baseado em grande parte no comercio das conservas do abundante pescado do estuário do Sado. Para além da fábrica da Travessa de Frei Gaspar, conhecem-se duas outras na cidade, situadas na Rua Januário da Silva e na Praça de Bocage. A laboração destas salgadeiras implicava o desenvolvimento de indústrias auxiliares, como as olarias, os estaleiros, as manufacturas de redes de pesca, as salinas e as quintas agrícolas, dinamizando desta forma toda a região.
As escavações arqueológicas realizadas no sítio revelaram dois grandes grupos estruturais. Um primeiro conjunto de estruturas teria eventual carácter habitacional, sendo datável de meados do século I d. C., época na qual seriam construídos o peristilo e a zona do pátio. No último quartel da centúria foi edificada a fábrica de salga, que se desenvolvia em torno do pátio central já referido, numa série de estruturas das quais apenas uma parte se encontra identificada. Junto da construção existiria um forno de olaria, para fabricação das ânforas nas quais os preparados de peixe eram embalados para exportação. A fábrica foi abandonada ao longo do século IV, quando os tanques ou cetárias passaram a ser utilizados como lixeiras, mas seria recuperada no século seguinte, quando se deu a segunda fase de construção do complexo. Embora não voltasse a laborar em pleno, os tanques foram beneficiados com novos revestimentos, em opus signinum, aparelhamento habitualmente utilizado para impermeabilizar estruturas, constando de cal e cerâmica triturada. Na mesma época, um dos tanques quadrangulares de maiores dimensões foi dividido em dois, e o pátio do século I foi igualmente revestido por um segundo pavimento. É em torno deste que se organizam, e são ainda visíveis, 14 tanques quadrangulares, dispostos em duas fiadas paralelas. A fábrica seria definitivamente abandonada no século V ou VI, certamente devido à decadência dos mercados e do comércio que se seguiu à queda do Império Romano, em 476 d.C..
Sílvia Leite / DIDA / IGESPAR, I.P. / 18-09-2007

Imagens

Bibliografia

Título

Fábrica romana de salga de peixe de Cacilhas. Relatório dos trabalhos arqueológicos de 1987, Informação Arqueológica

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

BARROS, Luís Manuel Boa Ventura de

Título

Arqueologia de Setúbal. Para o conhecimento das origens da cidade

Local

-

Data

1990

Autor(es)

VÁRIA

Título

Fábrica de Salga da Época romana da Travessa de Frei Gaspar, Primeiro Encontro Nacional de Arqueologia Urbana

Local

-

Data

1985

Autor(es)

SILVA, Carlos Tavares da; SOARES, Antónia C.; SOARES, Joaquina

Título

Algumas considerações sobre as fabricas de conservas de peixe da antiguidade encontradas em Portugal

Local

-

Data

1867

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga

Título

Fábrica de preparados de peixe da época romana

Local

Setúbal

Data

-

Autor(es)

GONÇALVES, Luís Jorge