Saltar para o conteúdo principal da página

Torre, Capela ou Ermida de São Miguel-o-Anjo - detalhe

Designação

Designação

Torre, Capela ou Ermida de São Miguel-o-Anjo

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de São Miguel-o-Anjo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Ermida

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde

Endereço / Local

Rua do Passeio Alegre
Porto

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 38 147, DG, I Série, n.º 4, de 5-01-1951 (ver Decreto)

ZEP

Nova proposta de 12-09-2011 da DRC do Norte
Proposta de 15-04-2008 da DRC do Norte para a fixação da ZEP conjunta da Foz Velha, Chafariz do Passeio Alegre, Dois Obeliscos da Quinta da Prelada, Torre, Farol e Capela de São Miguel-o-Anjo, Forte de São João Baptista, Igreja de São João Baptista e Zona do Passeio Alegre e a consequente revogação da ZEP conjunta da Torrem Farol e Capela de São Miguel-o-Anjo (?)
Portaria de 29-09-1960, publicada no DG, II Série, n.º 240, de 14-10-1960 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Nova proposta de 12-09-2011 da DRCNorte
Proposta de 15-04-2008 da DRCNorte
Portaria de 29-09-1960, publicada no DG, II Série, n.º 240, de 14-10-1960

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Quando regressou a Portugal em 1526 para cumprir o seu "exílio dourado", vindo de Roma e de uma vida repleta de vastos contactos no mundo da cultura humanista, D. Miguel da Silva fazia-se acompanhar por Francisco de Cremona, mestre pedreiro discípulo de Rafael que trabalharia em exclusivo para o futuro bispo de Viseu em terras lusas (MOREIRA, 1995, p. 333).
Depois de se estabelecer no norte do país, longe da corte e do rei D. João III, com quem entretanto se incompatibilizara, o Bispo iniciou uma série de grandiosas obras no território diocesano, todas entregues ao "seu" arquitecto romano. Para além das terras beirãs, D. Miguel da Silva escolheu a Foz do Douro para aí edificar um programa monumental, talvez no intuito de erigir "um monumento à sua própria glória", ao mesmo tempo que dava à cidade onde tanto gostava de se hospedar um porto seguro, que além da sua evidente utilidade recebia "um compêndio das maravilhas arquitectónicas do mundo romano" (Idem, ibidem, p. 336).
Edificado entre 1527 e 1546, o projecto da Foz do Douro desenhado por Francisco da Cremona integra a Capela de São Miguel-o-Anjo, construída como um "torreão", que na sua origem avançava pelo rio, sendo coberta por cúpula oitavada onde foi então edificado o farol - já destruído - e a estátua de uma figura romana, possivelmente a divindade Portumnus (Idem, ibidem).
Na fachada que se volta ao rio, mandou o edificador colocar uma inscrição latina celebrando a sua acção mecenática: "Miguel da Silva, Bispo Eleito de Viseu, fez esta torre para governo da entrada dos navios e deu e consignou campos comprados com o seu dinheiro para que, do respectivo rendimento, se acendessem da torre fogos perpetuamente. Ano M. D. XXVIII".
Catarina Oliveira
DIDA/IGESPAR/ Abril de 2008

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - o Renascimento e o Maneirismo

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Arquitectura: renascimento e classicismo, História da Arte Portuguesa, vol. II, 1995, pp. 303-375

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

MOREIRA, Rafael

Título

O Grande Porto

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

PACHECO, Helder

Título

A Arquitectura ao Romano

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

CRAVEIRO, Maria de Lurdes