Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja matriz de Vila Alva, incluindo o retábulo em talha e os azulejos tipo «tapete» que revestem o seu interior - detalhe

Designação

Designação

Igreja matriz de Vila Alva, incluindo o retábulo em talha e os azulejos tipo «tapete» que revestem o seu interior

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de Nossa Senhora da Visitação, matriz de Vila Alva / Igreja Paroquial de Vila Alva / Igreja de Nossa Senhora da Visitação (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Cuba / Vila Alva

Endereço / Local

Praça da República
Vila Alva

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A primitiva igreja de Vila Alva é referida em documentos do século XIV, embora não subsistam elementos do conjunto arquitectónico medieval. Nos finais do século XV o templo foi completamente reconstruído. A estrutura então edificada filia-se nos modelos da arquitectura vernacular tardo-gótica do Alentejo.
De dimensões médias, o templo apresenta planta longitudinal, composta pela justaposição da nave e da capela-mor, ambas de secção rectangular. O espaço interior, de nave única, é coberto por abóbada de berço. O espaço da capela-mor é precedido por quatro capelas colaterais, revestidas por talha dourada barroca. O arco triunfal, bastante profundo, é recoberto no intradorso por painéis de azulejo seiscentistas, que se prolongam pelo espaço da capela-mor. Esta apresenta um retábulo de talha dourada e policromada de edificação setecentista.
A fachada principal, de linhas sóbrias, contrasta com a exuberância barroca do interior. Ladeando o pano murário, foi edificada à esquerda a torre sineira, de secção cilíndrica, e um torreão circular à direita. O portal, de linhas chãs , é precedido por escadaria e encimado por uma janela que ilumina a nave. A fachada é rematada por frontão com enrolamentos.
A fachada lateral direita é marcada pela disposição de contrafortes intercalados, de diferentes secções. Na fachada lateral oposta foram abertos quatro arcos, três cegos e o último dando acesso à sacristia.
As campanhas de obras posteriores à edificação do templo correspondem à execução de um novo programa decorativo interior, estando plenamente definidas. A do século XVII visou o revestimento azulejar, a do século XVIII serviu para a edificação dos retábulos de talha.
Em 1969 a igreja foi objecto de nova campanha de obras, desta vez visando a reparação dos estragos causados pelo sismo ocorrido em Fevereiro de 1969.
Catarina Oliveira

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Beja, Vol. XII

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Azulejaria em Portugal no século XVII

Local

Lisboa

Data

1971

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos

Título

O Concelho de Cuba - Subsídios para o seu inventário artístico

Local

Cuba

Data

1981

Autor(es)

BORGES, Emília Salvado

Título

A pintura dos séculos XVI a XVIII no Concelho de Cuba

Local

Cuba

Data

1992

Autor(es)

SERRÃO, Vítor, FRANCO, Anísio, CAETANO, Joaquim Oliveira