Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Pinhovelo - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Pinhovelo

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Amendoeira / Pelourinho de Pinhovelo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Macedo de Cavaleiros / Amendoeira

Endereço / Local

- -
Pinhovelo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Integrado no 'Nordeste Transmontano', nas denominadas Terras Quentes, o território correspondente, na actualidade, ao concelho de Macedo de Cavaleiros distribui-se entre as Serras da Nogueira e de Bornes, ao longo de um amplo vale de terrenos férteis, particularidade que justificou a fixação, nos seus limites, de diferentes comunidades humanas, como evidenciam os múltiplos testemunhos arqueológicos identificados e estudados até ao momento.
Amendoeira figura entre as muitas freguesias que compõem o termo de Macedo de Cavaleiros, sendo formada por quatro lugares, um dos quais Pinhovelo, um importante povoado medieval, a julgar pela sua elevação a 'Vila', sendo referida nas Inquirições realizadas no reinado de D. Dinis (1261-1325). Um estatuto confirmado a posteriori através da colocação do pelourinho, consagrando a autonomia judicial que lhe era, assim, conferida, depois de ter obtido foral de D. Manuel I (1469-1521), em 1510.
Descrito, entre outras personalidades, pelo sacerdote, arqueólogo e historiador, de seu nome Francisco Manuel Alves, mais comummente conhecido por Abade Baçal (1865-1947), célebre indagador do passado brigantino, o pelourinho, que se ergue no centro da povoação que lhe deu nome - Pinhovelo -, foi objecto de um estudo mais pormenorizado nas primeiras décadas de novecentos, dessa feita por mão do membro da Associação dos Arqueólogos Portugueses, colaborador do actual Museu Nacional de Arqueologia e integralista lusitano convicto, Luís Chaves (1889-?).
Construído numa das matérias-primas mais abundantes na região - granito -, é sobre soco de três degraus quadrados com base da mesma configuração, com cerca de 40 centímetros de altura, que assenta a base que suporta o fuste oitavado decorado, alternadamente, com semiesferas, pontas de diamante e faces lisas, culminado em capitel de secção quadrada com arestas boleadas, ostentando a data de '1776'. Quanto ao remate, ele é formado por bloco prismático rectangular com escudo nacional lavrado encimado por coroa comportando pirâmide sobrepujada por esfera.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Os Pelourinhos. Elementos para o seu catálogo geral

Local

Lisboa

Data

1938

Autor(es)

CHAVES, Luís

Título

O concelho de Macedo de Cavaleiros

Local

Bragança

Data

1993

Autor(es)

PIRES, Armando

Título

Pelourinhos do distrito de Bragança

Local

Bragança

Data

2005

Autor(es)

FERREIRA, Luís, CANOTILHO, Luís

Título

Pinhovelo, Tesouros Artísticos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1976

Autor(es)

ALMEIDA, José António Ferreira de