Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Alhos Vedros - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Alhos Vedros

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Alhos Vedros(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Moita / Alhos Vedros

Endereço / Local

Largo da Misericórdia
Alhos Vedros

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Alhos Vedros é uma das mais antigas localidades da margem Sul do curso terminal do Tejo. A primeira referência conhecida a seu respeito data de 1298, ano em que se documenta já a sua igreja, dedicada a São Lourenço. Por essa altura, a vila era uma das duas sedes de freguesia do antigo concelho de Ribatejo - a par da extinta Sabonha, depois transformada em São Francisco no século XVII e hoje integrada no concelho de Alcochete -, e estava vinculada à Ordem de Santiago, que aqui possuía comenda.
Por estes dados, tem-se sugerido que as origens do povoamento de Alhos Vedros se tenha verificado imediatamente após a conquista de Lisboa, Almada e Palmela, de 1147, evoluindo à medida que a Ordem de Santiago tomou posse das terras e as pretendeu desenvolver economica e populacionalmente.
O pelourinho não data de tempos tão recuados, mas evoca ainda os tempos em que Alhos Vedros foi sede do território circundante. A sua construção deve situar-se pela segunda década do século XVI, imediatamente após a concessão de foral, passada por D. Manuel a 15 de Dezembro de 1514.
De facto, são vários os elementos manuelinos que podemos encontrar nesta obra, reveladores de grande homogeneidade cronológica e artística. O principal (pelo maior impacto visual que tem), é o primeiro degrau em que se assenta o monumento (dos três ue formam a plataforma), de perfil circular e decorado com "grosso calabre ao jeito manuelino" (MALAFAIA, 1997, p.83), de duplo toro entrançado. Segue-se a base, quadrangular, mas de moldura octogonal de faces reintrantes, tão característica das bases de colunas e de arquivoltas dos portais das primeiras décadas do século XVI. O fuste é monolítico e octogonal, terminando num pequeno capitel tronco-piramidal antecedido por dupla moldura. O coroamento é relativamente simples, com peça única de terminação piramidal, sobre a qual se apoia uma composição de ferro, com esfera armilar e uma seta orientada para Ocidente.
Localizado na principal praça da vila, confrontando com as propriedades da Misericórdia local, o pelourinho é a marca distintiva do antigo estatuto de Alhos Vedros como sede municipal, prerrogativa extinta em 1855, altura em que passou a integrar o concelho da Moita. Ainda antes, em 1834, a vila deixara de ser propriedade da Ordem de Santiago, facto que se revelou decisivo para a integração desta parcela de território na unidade centralizada a partir da Moita.
Só muito recentemente o pelourinho foi alvo de alguma atenção. Classificado em 1933, data de 1980 o arranjo do espaço envolvente, com definição de um jardim na direcção do Hospital da Misericórdia e das traseiras da Igreja Matriz, beneficiação urbanística que se revelou fundamental para uma maior monumentalidade da obra.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Os pelourinhos do Distrito de Setúbal, A Província, Montijo, 12 de Maio de 1955

Local

Montijo

Data

1955

Autor(es)

BONIFÁCIO, Luís

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Os Pelourinhos. Elementos para o seu catálogo geral

Local

Lisboa

Data

1938

Autor(es)

CHAVES, Luís

Título

Subsídios para a história de Alhos Vedros. Informações paroquiais de Alhos Vedros e Moita

Local

Alhos Vedros

Data

1992

Autor(es)

ALVES, Carlos F. Póvoa

Título

Sabonha e S. Francisco

Local

Alcochete

Data

2004

Autor(es)

VARGAS, José Manuel