Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Manique do Intendente - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Manique do Intendente

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Manique do Intendente(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Azambuja / Manique do Intendente, Vila Nova de São Pedro e Maçussa

Endereço / Local

Praça dos Imperadores
Manique do Intendente

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A primeira menção conhecida à actual freguesia respeita a 1301, data do documento de escambo da quinta de Alcoentrinho (assim nomeada pela proximidade com Alcoentre), que pertencia desde o século XIII à paróquia de S. Pedro de Arrifana. A adopção do topónimo actual deu-se apenas no final do século XVIII, depois de a rainha D. Maria I, tendo em conta os serviços prestados à Coroa por Diogo Inácio de Pina Manique, intendente geral da polícia, lhe ter concedido o morgado e a jurisdição da população, e mais tarde o direito de lhe alterar o nome para Manique do Intendente, a partir de então sede de concelho. Embora efémero, já que foi extinto em 1836, o novo concelho começou por sustentar um projecto pessoal de grandes dimensões, do qual ainda existem muitos vestígios. Pina Manique começou aí a construção de um sumptuoso palácio, ao qual se seguiriam os edifícios da futura Câmara Municipal e de um tribunal, para além do levantamento de pelourinho, primeiro testemunho da recém-adquirida autonomia jurídica e estatuto municipal. Este plano implicava a reconfiguração da anterior aldeia, de forma a constituir um exemplo de urbanismo e arquitectura "modernas", de acordo com a tratadística Neoclássica em voga. Embora as obras do palácio nunca tivessem sido concluídas, o pelourinho ergue-se ainda diante das ruínas do mesmo, na praça central da terra, onde também se situam os Paços do Concelho.
O Pelourinho assenta num soco de quatro degraus oitavados, de arestas boleadas. Consta de uma base na forma de paralelepípedo alto, de secção octogonal, com as faces molduradas, e de uma coluna de fuste liso, com secção circular e ligeira entasis, sendo o primeiro terço realçado por uma estreita moldura anelar. Entre o topo da coluna e o capitel estão os ferros de sujeição, em cruz, rematados em flor-de-lis, e conservando ainda as argolas. O capitel é constituído por um troço bojudo entre molduras circulares, sobre o qual se dispõe o remate. Este é composto por uma pequena plataforma poligonal (sextavada) moldurada, e por um pináculo igualmente poligonal, de faces estriadas na metade superior. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde