Saltar para o conteúdo principal da página

Forte de Nossa Senhora da Conceição (restos das muralhas) - detalhe

Designação

Designação

Forte de Nossa Senhora da Conceição (restos das muralhas)

Outras Designações / Pesquisas

Forte de Nossa Senhora da Conceição(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Cascais e Estoril

Endereço / Local

-- -
Cascais

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)
Edital de 12-06-1974 da CM de Cascais
Despacho de homologação de 9-04-1974
Parecer de 5-04-1974 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP

ZEP

Portaria n.º 740-S/2012, DR, 2.ª série, n.º 248, de 24-12-2012 (sem restrições) (ZEP do Chalet Faial, do Palácio Palmela e do Forte de Nossa Senhora da Conceição (restos das muralhas)) (ver Portaria)
Aviso n.º 4682/2012, DR, 2.ª série, n.º 63, de 28-03-2012 (ver Aviso)
Parecer favorável de 10-10-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 12-07-2011 da DRCLVT para a fixação da ZEP conjunta do Chalet Faial, do Palácio Palmela e dos restos do Forte de Nossa Senhora da Conceição

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Forte de Nossa Senhora da Conceição fazia parte do conjunto de fortalezas joaninas integradas na defesa da linha de costa entre São Julião da Barra e o Cabo da Roca. A edificação deste conjunto, ordenada por D. António Luís de Meneses, governador da Praça de Cascais, foi iniciada em 1642, e a fortaleza estava já operacional em 1646 (BARROS, BOIÇA, RAMALHO, 2001, pp. 84-87).
Denominada na época Baluarte do Rio do Bode, a fortaleza possuía uma estrutura básica que correspondia "(...) aos mesmos princípios construtivos que identificam os fortes levantados ao longo da costa a seguir à Restauração (...)" (Idem, ibidem, p. 87). Implantado sobre a extremidade oriental da baía de Cascais, numa saliência rochosa, o Forte de Nossa Senhora da Conceição era um elemento fundamental na sua defesa, uma vez que cruzava fogo com a Cidadela de Cascais, "(...) embaraçando deste modo a aproximação do inimigo (...)" (Idem, ibidem, p. 86).
Com o avanço da engenharia militar e das técnicas de guerra no início do século XIX, o forte acabaria por se tornar "obsoleto", sendo desactivado e demolido na primeira metade da centúria. Em 1868 o Duque de Palmela comprou o imóvel, demolindo-o nesse mesmo ano. Em 1873 tinha sido edificado no lugar da fortaleza um chalet , projectado por Thomas Henry Wyatt (Idem, ibidem, p. 89).
A construção da Casa Palmela destruiu por completo a estrutura do Forte de Nossa Senhora da Conceição, pelo que o que se conhece da estrutura seiscentista da fortaleza baseia-se em mapas e descrições do século XVIII (Idem, ibidem). Apresentando uma planimetria fora do comum, devido à sua adaptação à topografia do terreno, a fortaleza possuía uma bateria rectangular, que terminava em V, postando-se sobre a escarpa. Na ponta oposta foram edificados os alojamentos, a cozinha, o paiol e a casa da palamenta, dispostos em frente da praça de armas. Sobre as edificações existia um terraço com parapeito, ao qual se acedia por uma escada disposta a partir da plataforma da bateria.
Embora tenha sido objecto de algumas obras de remodelação e modernização em finais do século XVIII, o Forte de Nossa Senhora da Conceição manteve intactas, até à data da sua demolição, a "organização funcional" bem como o "traçado das estruturas" seiscentistas. O muro ameado que actualmente se dispõe em volta da Casa Palmela não pertence ao conjunto original da fortaleza, tendo sido edificado quando a casa foi construída, para o caso de, em tempos de guerra, ser necessário guarnecer o local com tropas de infantaria (Idem, ibidem, p. 89)
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2006

Imagens

Bibliografia

Título

As fortificações marítimas da costa de Cascais

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

RAMALHO, Maria Margarida Marques, BARROS, Maria de Fátima Rombouts, BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira