Saltar para o conteúdo principal da página

Forte de Nossa Senhora da Guia - detalhe

Designação

Designação

Forte de Nossa Senhora da Guia

Outras Designações / Pesquisas

Laboratório Marítimo da Guia (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Cascais e Estoril

Endereço / Local

EN 247, entre o Farol da Guia e a Lage do Ramil
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)
Edital de 13-05-1974 da CM de Cascais
Despacho de homologação de 9-04-1974 do Secretário de Estado da Instrução e Cultura
Parecer de 5-04-1974 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Forte de Nossa Senhora da Guia foi edificado no período das Guerras de Restauração, integrando um conjunto de fortalezas erigidas ao longo de toda a costa de Cascais nessa época. A escolha do local da Guia, onde existia uma pequena ermida dedicada a Nossa Senhora, para a construção de mais uma fortaleza prendeu-se com o facto de em 1580 o duque de Alba ter desembarcado naquele local (BARROS, BOIÇA, RAMALHO, 2001, p. 163).
Esta foi uma das obras que se iniciou mais rapidamente devido à importância estratégica do local. De "traça simples e pequenas dimensões", o Forte de Nossa Senhora da Guia estava já operacional em 1646, embora perdesse parte da sua guarnição depois do fim das guerras (Idem, ibidem).
De planta rectangular, o forte segue "(...) o esquema construtivo adoptado nas demais fortificações da costa de Cascais, erguidas na década de 40 do século XVII (...)" (Idem, ibidem). O seu espaço dividia-se em duas áreas distintas, a bateria e os alojamentos, seccionados em quatro dependências.
Cem anos depois da sua edificação parte da estrutura da fortaleza começava a apresentar sinais de degradação, e o terramoto de 1755 afectaria de forma profunda a zona do aquartelamento (Idem, ibidem, p. 164). No entanto, apesar de ter sido objecto de uma intervenção no final do século XVIII, foi uma campanha de obras realizada no período miguelista, executada no contexto das Guerras Liberais, que restaurou a estrutura do forte (Idem, ibidem, p. 165).
Depois de ter sido desactivada das suas funções militares no século XIX, a fortaleza foi utilizada, a partir de 1928, para a instalação da denominada Estação Zoológica Marítima da Guia, que passou a funcionar no local depois de realizadas obras de adaptação.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/2006

Imagens

Bibliografia

Título

As fortificações marítimas da costa de Cascais

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

RAMALHO, Maria Margarida Marques, BARROS, Maria de Fátima Rombouts, BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira