Saltar para o conteúdo principal da página

Sala do Capítulo, refeitório, cozinha, torre e capela do Mosteiro da Serra do Pilar - detalhe

Designação

Designação

Sala do Capítulo, refeitório, cozinha, torre e capela do Mosteiro da Serra do Pilar

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro de Santo Agostinho da Serra do Pilar / Mosteiro da Serra do Pilar(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Mosteiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Vila Nova de Gaia / Santa Marinha e São Pedro da Afurada

Endereço / Local

Largo de Avis
Vila Nova de Gaia

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 25 034, DG, I Série n.º 33, de 11-02-1935 (ver Decreto)
Nota: pelo Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910, havia já sido classificada como Monumento Nacional a "Igreja da Serra do Pilar" (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 28-05-1949, publicada no DG, II Série, n.º 137, de 16-06-1949 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 28-05-1949, publicada no DG, II Série, n.º 137, de 16-06-1949

Abrangido em ZEP ou ZP

Património Mundial

Abrangido por conjunto inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, que, ao abrigo do n.º 7 do art.º 15.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro, se encontra classificado como MN

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Quando em meados do século XVI o mosteiro de São Salvador de Grijó se encontrava em ruínas, D. João III autorizou a transferência desta comunidade crúzia para a serra de São Nicolau de Vila Nova, fronteira à cidade do Porto. Em 1537 fundava-se neste local um novo mosteiro, com a invocação de São Salvador do Mundo e traça elaborada por Diogo de Castilho e João de Ruão, estando as obras a cargo de Frei Brás de Barros. Desde o início que a obra foi supervisionada directamente por D. João III, a quem os arquitectos e Frei Brás de Barros enviavam os desenhos ao rei com regularidade (GOMES, Paulo Varela,2001,p.80). No ano de 1542 estava já realizada a primeira fase construtiva, e os religiosos de Grijó ocupavam já o espaço habitável. Só alguns anos mais tarde, em 1564, os mosteiros de Grijó e da Serra do Pilar ficariam definitivamente separados, por autorização papal de Pio IV. Em 1567 terminava a primeira fase de obras do mosteiro, estando então edificados a igreja e os anexos. A partir da década de 70 as obras do mosteiro ficariam a cargo dos mestres Jerónimo Luís, sendo edificada a hospedaria de cima no ano de 1573. Em 1576 iniciava-se a construção do claustro circular, e no ano seguinte a sua abóbada estava concluída. Mas o claustro só estaria definitivamente construído nos primeiros anos da década de 80, depois de executados os portais, as capelinhas circundantes e a obra de canalização (RUÃO,Carlos,1996,pp.218-220).
Em 1597 era lançada a primeira pedra da "igreja rotunda" do mosteiro, dedicada a Santo Agostinho, que só ficaria concluída mais de meio século depois, em 1672. Mantendo o projecto arquitectónico executado por Castilho e Ruão na década de 30 (GOMES, Paulo Varela,2001,p.80), o templo apresenta no interior uma linguagem arquitectónica e decorativa muito semelhante à da igreja de São Salvador de Grijó. No final do século XVII, em 1690, o prior do convento mandou desmontar o claustro para ser deslocado 15 metros para nascente, de modo a que pudesse ser construído um retrocoro entre a capela-mor da igreja e o claustro, segundo traça da autoria de Domingos Lopes. Nessa época era também executado o retábulo-mor original, montado entre a capela-mor e o retrocoro.
O conjunto monacal apresenta planta composta por volumes da igreja, de planta circular, da capela-mor, de planta rectangular, e do claustro, também de planta circular, todos dispostos sequencialmente. O claustro possui ao centro chafariz de taça, derivado dos modelos de chafarizes quinhentistas da escola dos Lopes. A torre do templo foi edificada do lado esquerdo, e as dependências conventuais dispõem-se lateralmente, formando duas alas.
Para além da construção do retrocoro, o mosteiro foi objecto de algumas obras nas últimas décadas do século XVII, nomeadamente o parapeito e platibanda do claustro. Em 1809 o espaço do mosteiro foi ocupado pelas tropas de Wellington, quando foi planeado o ataque do exército português à cidade do Porto, então ocupada pelas tropas de Napoleão. Durante o século XX, o mosteiro foi objecto de diversas campanhas de obras de restauro e conservação. O Mosteiro da Serra do Pilar encontra-se abrangido pelo Centro Histórico do Porto, inscrito pela Unesco na Lista do Património Mundial.
Catarina Oliveira

Imagens

Bibliografia

Título

O Mosteiro de São Salvador da Serra como Imago Mundi, in Revista MONUMENTOS N.9, Lisboa, 1998, pp. 26-33

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

ALCÂNTARA, Fernanda, XAVIER, João Pedro

Título

A edificação da dupla-rotunda do Mosteiro de Santo Agostinho, in Revista MONUMENTOS N.9, Lisboa, 1998, pp. 34-41

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

RUÃO, Carlos

Título

O novo corpo da igreja do Mosteiro de Santo Agostinho da Serra e a deslocação do claustro (1690-1691), in Revista MONUMENTOS N.9, Lisboa, 1998, pp. 42-47

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

ALVES, Joaquim Jaime Ferreira

Título

Uma Civitas Dei em Quebrantões ou a Cerca do Mosteiro, in Revista MONUMENTOS N.9, Lisboa, 1998, pp. 10-15

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

ABREU, Susana Matos

Título

O Mosteiro do Salvador: um projecto do século XVI in MONUMENTOS nº 9, Lisboa, 1998, pp. 16-25

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

OLIVEIRA, Marta M. Peters Arriscado de

Título

Arquitectura, Religião e Política em Portugal no século XVII - A Planta Centralizada

Local

Porto

Data

2001

Autor(es)

GOMES, Paulo Varela

Título

Arquitectura maneirista no Noroeste de Portugal

Local

Coimbra

Data

1996

Autor(es)

RUÃO, Carlos

Título

A arqueologia medieval e moderna na região do Porto. Breve balanço e algumas reflexões críticas, Al-Madan

Local

Almada

Data

2000

Autor(es)

GOMES, Paulo José Antunes Dórdio, TEIXEIRA, Ricardo Jorge Coelho Marques Abrantes, SILVA, António Manuel S. P., RODRIGUES, Miguel Carlos Lopes Brandão Areosa

Título

A Arquitectura ao Romano

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

CRAVEIRO, Maria de Lurdes