Saltar para o conteúdo principal da página

Cruzeiro de Venade - detalhe

Designação

Designação

Cruzeiro de Venade

Outras Designações / Pesquisas

Cruzeiro de Venade (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Cruzeiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Caminha / Venade e Azevedo

Endereço / Local

Largo de António Joaquim Alves da Cruz
Ribas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Executado entre 1760 e 1790, a expensas da população, o cruzeiro de Venade é um dos mais interessantes exemplos, no Norte do país, deste género de manifestações, que atestam a importância dos espaços exteriores marcados por símbolos religiosos. O padrão destaca-se pela profusão e qualidade escultórica dos elementos que o constituem, apresentando uma iconografia própria destes cruzeiros, mas muito completa, onde figuram os quatro Evangelistas, Nossa Senhora da Conceição e Cristo Crucificado.
Assente sobre quatro degraus octogonais, o plinto, de cornija moldurada, exibe, nos cantos, as esculturas dos Evangelistas. O fuste da coluna, em espiral, tem início numa base decorada por acantos, e termina num capitel em forma de florão. A meio, encontra-se a imagem de Nossa Senhora da Conceição (rodeada por querubins), de mãos postas e com a serpente enrolada sob os seus pés. O conjunto termina com Cristo numa cruz de braços de secção circular.
A leitura iconográfica deste conjunto, de sentido ascensional, culmina na complementaridade entre as cenas representadas, alusivas aos dois momentos extremos da vida de Jesus, a Encarnação e a morte na cruz (VITERBO, 1910, p. 2).
É conhecido o nome do canteiro responsável pela execução deste cruzeiro, Bento Lourenço da Costa, ou o pai, a quem são atribuídos, pela proximidade estilística, outros dois padrões - São Pedro de Arcos (Ponte de Lima) e Santa Maria de Portuzelo (Viana do Castelo) (VITERBO, 1910, p. 2; CHAVES).
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Os pelourinhos e os cruzeiros, Arte Portuguesa, As Artes Decorativas (dir. João Barreira), pp. 75-104

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

CHAVES, Luís

Título

Cruzeiros de Portugal: contribuições para o seu catálogo descriptivo, Sep. do Boletim da Real Associação dos Architectos Civis e Archeologos Portuguezes

Local

Lisboa

Data

1910

Autor(es)

VITERBO, Francisco M. de Sousa