Saltar para o conteúdo principal da página

Castro de Trás de Cidades - detalhe

Designação

Designação

Castro de Trás de Cidades

Outras Designações / Pesquisas

Povoado fortificado de Trás de Cidades / Castro de Trás de Cidades(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Povoado Fortificado

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte de Lima / Navió e Vitorino dos Piães

Endereço / Local

Serra da Nora ou Nó
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 29/84, DR, I Série, n.º 145, de 25-06-1984 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

É na cumeeira de uma pequena elevação da Serra da Nora que se ergue um povoado edificado na Idade do Ferro do Noroeste peninsular, com um considerável domínio sobre a paisagem envolvente, como sucede na maioria dos restantes exemplares desta tipologia.
À semelhança de parte significativa dos restantes povoados de altura construídos neste período, o "Castro de Trás de Cidades" foi dotado de um complexo sistema defensivo composto de duas linhas de muralha, um talude e um fosso, aproveitando as condições naturais de defesa proporcionadas pela geologia do terreno em que foi implantado. E, tal como ocorre noutros exemplares semelhantes, também aqui o recinto delimitado pelo muralhado interno albergaria as primitivas estruturas de funcionalidade doméstica, de planta circular, ovalóide e/ou rectangular, tão características do universo da denominada "cultura castreja".
Também neste povoado se exumaram materiais que comprovam a ocorrência de uma segunda ocupação, já durante o período de domínio romano do actual território português, bem documentada, neste caso, pela presença de múltiplos fragmentos de cerâmica fina e de abundantes vestígios de material de construção, como tegulae e imbrices, ainda que, muito naturalmente, predominem as cerâmicas comuns típicas dos castros da Idade do Ferro do Noroeste peninsular.
Na realidade, esta aparente deferência não deverá surpreender, atendendo, sobretudo, à extensa navegabilidade propiciada pelo rio Lima nesta zona, certamente uma das razões pelas quais várias comunidades da Idade do Ferro a preferiram para edificar os seus povoados de altura. Mas não só, pois outros factores essenciais à vivência quotidiana dos seus habitantes, como a abundância de pequenos cursos hídricos, a fertilidade do solo e a vastidão montanhosa vital para a actividade pastorícia, juntamente com a existência de várias matérias primas, com especial destaque para o minério, terão sido, na verdade, decisivos para a sua ocupação por parte de grupos humanos ao longo dos tempos.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Proto-História e Romanização da Bacia inferior do Lima, Estudos Regionais

Local

Viana do Castelo

Data

1998

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Brochado de