Saltar para o conteúdo principal da página

Torre da Lagariça - detalhe

Designação

Designação

Torre da Lagariça

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Torre

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Resende / São Cipriano

Endereço / Local

EN 222 (ao km 95,5, e a 100 m, por caminho rural)
Lagariça

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Ocupada desde tempos pré-históricos, a vila de Resende sempre esteve ligada à história da formação da nacionalidade. Segundo alguns autores, teria sido em Resende que D. Afonso Henriques foi criado sob a tutela de Egas Moniz, aludindo-se frequentemente ao milagre de Cárquere, no qual Nossa Senhora teria curado o futuro rei de Portugal de uma deformação nas pernas (DUARTE,J., 1994, pp. 543-552).
Independentemente das lendas locais, sabe-se que a honra de Resende foi instituída por D. Afonso Henriques a favor de Egas Moniz, depois da batalha de São Mamede. A sua região foi conhecendo um progressivo crescimento ao longo da Idade Média, atestado pelo conjunto de templos românicos edificados no seu concelho.
Da primeira metade do século XII data também a edificação da Torre da Lagariça, um robusto torreão militar de planta quadrada, que ficaria imortalizado na obra de Eça de Queiroz, A Ilustre Casa de Ramires .
A fundação da torre teria como primeiro objectivo a defesa da linha do Douro na época da Reconquista, servindo de torre de atalaia, mas a sua função militar perdeu significado com o estabelecimento das fronteiras mais a norte. Como tal, no século XVI a torre seria adquirida pela família Pinto, senhores da Torre da Chã e do Paço de Covelas, e em 1610 voltaria a ser vendida, desta vez à família que ainda actualmente é sua proprietária.
Deverá datar do início do século XVII a adaptação da torre medieval a habitação senhorial, sendo então edificado um corpo de planimetria em L em volta do núcleo original, integrando-o num dos extremos da casa. O corpo do solar divide-se por três registos distintos e as fachadas são marcadas pela disposição de portas e janelas, de molduras rectangulares, tendo sido construída uma varanda alpendrada no piso superior na fachada principal. A torre não foi alterada, mantendo a planimetria original e as feições das suas fachadas, que se destacam pelo reduzido número de fenestrações.
A casa da Torre da Lagariça apresenta um modelo de linhas austeras e robustas, acentuando-se a verticalidade dos volumes, pontuada pela cércea da torre. Indiscutível é a harmonia estética de todo o conjunto, uma vez que a construção do solar seiscentista integrou de forma bastante coerente a torre medieval.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Bibliografia

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

Resende e a sua História

Local

Resende

Data

1994

Autor(es)

DUARTE, Joaquim Correia

Título

A Ilustre Casa de Ramires

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

QUEIROZ, Eça de