Saltar para o conteúdo principal da página

Casa dos Maciéis Aranhas - detalhe

Designação

Designação

Casa dos Maciéis Aranhas

Outras Designações / Pesquisas

Casa dos Maciéis Aranhas / Casa do Gato Bravo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Solar

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Braga / Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto)

Endereço / Local

Praça do Conde de Agrolongo, vulgo Campo da Vinha
Braga

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa que pertenceu à família dos Maciéis Aranhas é uma construção barroca, do século XVIII, que desempenha um papel de grande significado no contexto urbano de Braga e, em particular, no que diz respeito ao Campo da Vinha. Este constituí o mais antigo espaço público da cidade, extra-muros (OLIVEIRA, 1999, p.71), e deve-se à iniciativa do Arcebispo D. Diogo de Sousa, proprietário desta vinha (denominada de Santa Eufémia) em consequência da permuta que efectuou com a sua Quinta do Paço de Ançariz, em Escudeiros, no ano de 1508 (IDEM).
Os prelados que lhe sucederam introduziram novas alterações neste Campo, que gradualmente tomou a forma que hoje conhecemos. Pelo caminho ficaram edifícios religiosos e civis dos quais apenas resta a memória, como é o caso do imponente Seminário de S. Pedro, começado a edificar em 1571 ou 1572; ou o Recolhimento das Beatas do Campo da Vinha. Outros, porém, conservam-se, como o convento do Pópulo, cujas obras tiveram início em 1506; o convento do Salvador, hoje Lar Conde de Agrolongo; ou o edifício dos monges de Tibães, transformado em hotel, e o seu claustro em centro comercial (IDEM, p. 73).
A Casa dos Maciéis Aranhas situa-se no extremo poente deste Campo, juntamente com outras casas do século XVII ou XVIII, destacando-se pelo seu portal, que fecha o U desenhado pelos blocos habitacionais. Este imóvel tem levantado alguma discórdia entre aqueles que lhe têm dedicado algumas linhas. Na verdade, falta um estudo mais aprofundado para esclarecer, definitivamente, a sua atribuição, ou não, ao arquitecto Carlos Amarante.
Alberto Feio (1951, p. 20) defende a autoria de Amarante para todo o conjunto, enquanto Eduardo Pires de Oliveira (1999, p. 74) se opõe veemente a esta ideia, por considerar ser o edifício do início do século XVIII ou mesmo do final da centúria anterior. Do século passado apenas admite ser o portão. Na sua dissertação de mestrado, Eduardo Alves Duarte refere-se ao imóvel de forma ambígua, indicando ser este um dos primeiros projectos de Carlos Amarante em Braga, ainda que sem conhecer a data precisa da sua construção, para depois afirmar que "apenas alguns pormenores arquitectónicos (festões junto ao escudo de armas) podem indiciar a autoria do arquitecto" (DUARTE, 2000, p. 100). Assim, até que surjam novos dados, permanece a controvérsia sobre a atribuição deste projecto.
O imóvel desenvolve-se numa planta em U, unido pelo muro onde se abre o portão. Este, é definido por pilastras toscanas, que suportam o entablamento e um frontão em cujo tímpano se exibe o brasão de armas dos Maciéis e Aranhas.
Na fachada principal, os corpos laterais, de dois andares, são rasgados por janelas de verga recta, sendo a do andar nobre de sacada assentes em mísulas. O corpo central, recuado em relação aos restantes, apresenta portas e janelas de linhas rectas, a que se sobrepõe, no piso nobre, uma varanda aberta por arcos abatidos assentes sobre colunelos. Acede-se a este espaço através de uma escadaria, situada num dos extremos.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Palácios e solares portuguezes (Col. Encyclopedia pela imagem)

Local

Porto

Data

1900

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Uma figura nacional: Carlos Amarante (insigne arquitecto e engenheiro): 1748-1815

Local

Braga

Data

1951

Autor(es)

FEIO, Alberto

Título

Carlos Amarante (1748-1815) e o final do classicismo : um arquitecto de Braga e do Porto /

Local

Porto

Data

2000

Autor(es)

DUARTE, Eduardo

Título

Guia de Braga turístico e histórico

Local

Braga

Data

1994

Autor(es)

MENDES, Fernando

Título

Braga - percursos e memória de granito e oiro

Local

Porto

Data

1999

Autor(es)

OLIVEIRA, Eduardo Pires de

Título

Braga - roteiro histórico e monumental

Local

Braga

Data

1998

Autor(es)

COSTA, Luís