Saltar para o conteúdo principal da página

A fachada principal do Hospital de São Marcos e a da respectiva Igreja - detalhe

Designação

Designação

A fachada principal do Hospital de São Marcos e a da respectiva Igreja

Outras Designações / Pesquisas

Hospital de São Marcos (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Hospital

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Braga / Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto)

Endereço / Local

Largo Carlos Amarante
Braga

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 40 684, DG, I Série, n.º 146, de 13-07-1956 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 589/2011, DR, 2.ª Série, n.º 119, de 22-06-2011 (com ZNA) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 7-10-2009 da Ministra da Cultura
Parecer favorável do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. de 1-10-2008
Proposta de 28-08-2008 da DRC do Norte para a revisão da ZEP
Portaria de 24-04-1970, publicada no DG, II Série, n.º 105, de 5-05-1970

Zona "non aedificandi"

Portaria n.º 589/2011, DR, 2.ª Série, n.º 119, de 22-06-2011
Portaria de 24-04-1970, publicada no DG, II Série, n.º 105, de 5-05-1970

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A edificação do Hospital de São Marcos remonta ao ano de 1508, e deve-se à dinâmica do governo eclesiástico de D. Diogo de Sousa, cujo sentido foi posteriormente retomado, sob o governo de D. Gaspar de Bragança, que finalizou as obras e a própria mensagem iconográfica. Esta última encontra-se intimamente relacionada com a edificação de um monumento, evocativo do martírio do orago e dos restantes discípulos de Cristo, presentes na balaustrada. De facto, a leitura do apostolado (atribuído a Landim) e a sua ligação às evocações centralizadoras da planta e da fachada celebram e destacam a ligação entre o orago (o apóstolo São João Marcos) "com o Cenáculo e com os Apóstolos, seus assíduos frequentadores" (DUARTE, 1996, p. 176). Recorde-se que São João Marcos, discípulo de Cristo e evangelizador com São Paulo e São Barnabé, era o proprietário da casa onde Cristo celebrou a Última Ceia e onde ocorreu o Pentecostes. A presença em Braga das suas relíquias (o túmulo venera-se na capela-mor da igreja) e toda a controvérsia associada, não impediram que o seu culto fosse muito celebrado na cidade, e os milagres por si perpetuados eram de tal ordem que o largo da igreja, sob a sua invocação, passou a ser conhecido como Campo dos Remédios.
Mas, regressando à história do Hospital, este foi erguido no local onde existia uma ermida, pelo menos desde o século XII, dedicada a São Marcos, e ainda uma albergaria e um convento templário. Como já referimos, foi D. Diogo de Sousa quem fundou o Hospital, reunindo neste novo organismo todos os outros existentes na cidade, num esforço de centralização das instituições assistenciais de Braga, que se enquadra num quadro mental mais amplo, relacionado com "a ideologia renascentista e italianizante, pela qual o prelado se orientava" (DUARTE, 1996, p. 156). A primeira administradora do Hospital foi a Câmara Municipal, mas em 1559 essa responsabilidade foi transferida para a Misericórdia, por intervenção de Frei Bartolomeu dos Mártires.
Mais tarde, e já no século XVIII, o edifício foi objecto de uma grande ampliação, cujas obras tiveram início no claustro grande (1721-23) e enfermarias, estendendo-se, pouco depois, à igreja e ao claustro pequeno. O projecto foi concebido por Manuel Pinto Vilalobos, e executado por Pascoal Fernandes e Manuel Fernandes da Silva (este último já havia trabalhado no edifício, em 1706, numa intervenção de menor envergadura) (ROCHA, 1996, p. 157). Todavia, problemas com os desenhos levaram a que, em 1733, Carlos António Leoni apresentasse um novo projecto para a igreja e claustro pequeno, cuja concretização se prolongou, pelo menos, até à década de 1750. Sabe-se que André Soares também colaborou nesta construção, mas não foi ainda possível conhecer a extensão da sua contribuição (DUARTE, 1996, p. 158).
Esta sequência de obras, com atrasos motivados pela falta de recursos financeiros, conduz-nos, já na segunda metade do século XVIII, à figura de Carlos Amarante, cuja intervenção permanece ainda por esclarecer. É inequívoca a vontade da Misericórdia em terminar o edifício, apesar da nova igreja ter ficado concluída apenas em 1836, ano em que foi inaugurada. Todavia, não é possível perceber se Amarante concebeu um projecto de raiz ou se, pelo contrário, apenas concluiu e respeitou a estrutura pré-existente, e nesse caso, da autoria de Vilalobos. De qualquer forma, os investigadores parecem concordar nos elogios à solução encontrada, reveladora de uma forte unidade, que conjuga o templo central, de fachada convexa, com os dois blocos civis que o enquadram, numa linguagem clássica, influenciada por outras igrejas (como a de Nosso Senhor dos Passos, em Guimarães, de André Soares, ou a do convento de São Bento de Avé-Maria, no Porto) e pela tratadística francesa, mas cujo carácter barroco é inegável (DUARTE, 1996, p. 170). (Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Memórias para a história eclesiástica do Arcebispado de Braga

Local

-

Data

1734

Autor(es)

ARGOTE, Jerónimo Contador de

Título

Uma figura nacional: Carlos Amarante (insigne arquitecto e engenheiro): 1748-1815

Local

Braga

Data

1951

Autor(es)

FEIO, Alberto

Título

Carlos Amarante e o final do classicismo (Dissertação de mestrado em História da Arte, apresentada à FCSH)

Local

Lisboa

Data

1996

Autor(es)

DUARTE, Eduardo

Título

Carlos Amarante (1748-1815) e o final do classicismo : um arquitecto de Braga e do Porto /

Local

Porto

Data

2000

Autor(es)

DUARTE, Eduardo

Título

D. Diogo de Sousa, grandioso Arcebispo Primás (1505-1532), fundador e benfeitor da Irmandade de N. Senhora da Misricórdia e Hospital de São Marcos de Braga, Lumen

Local

Lisboa

Data

1935

Autor(es)

FERREIRA, José Augusto

Título

Ampliação e transformação do edifício do Hospital de S. Marcos de Braga, no século XVIII, segundo as plantas do Eng. Manuel Pinto Vilalobos e do arquitecto (?) Carlos Antonio Leoni, Lumen

Local

Lisboa

Data

1939

Autor(es)

FERREIRA, José Augusto

Título

Hospital de S. João Marcos em Braga, Arquivo Pitoresco, vol. VII

Local

Lisboa

Data

1964

Autor(es)

BARBOSA, Inácio de Vilhena

Título

Memórias de Braga

Local

Braga

Data

1890

Autor(es)

FREITAS, Bernardino José de Sena

Título

Carlos Amarante, Dicionário da Arte Barroca em Portugal

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

ALVES, Joaquim J. Ferreira

Título

Estudos sobre o século XVIII em Braga: história e arte

Local

Braga

Data

1993

Autor(es)

OLIVEIRA, Eduardo Pires de