Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Paroquial de Ançã - detalhe

Designação

Designação

Igreja Paroquial de Ançã

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de Nossa Senhora do Ó, paroquial de Ançã / Igreja Paroquial de Ançã / Igreja de Nossa Senhora do Ó (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Cantanhede / Ançã

Endereço / Local

Terreiro do Paço
Ançã

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 8/83, DR, I Série, n.º 19, de 24-01-1983 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Dedicada a Nossa Senhora do Ó, a igreja paroquial de Ançã é uma construção da segunda metade do século XVII, que foi objecto de outras campanhas no decorrer das centúrias seguintes, entre as quais se destaca a da reconstrução da fachada, em 1812, mas que procurou seguir o traçado original seiscentista. Na verdade, em 1787, o Bispo D. Francisco de Lemos ordenava que se procedessem a trabalhos no templo devido à degradação em que incorria (CORREIA, GONÇALVES, 1993).
Seccionado em três panos por meio de pilastras coroadas por urnas, o frontispício do templo é rematado, no corpo central, por frontão triangular de lanços, com cruz na empena. É neste pano que se concentram os elementos decorativos, uma vez que os laterais apenas são rasgados, superiormente, por janelas rectangulares. O portal, seiscentista, é flanqueado por dupla coluna assente sobre soco alto, suportando entablamento e frontão interrompido, onde se insere a janela superior, de avental e cimalha.
À direita, ergue-se a torre sineira, cuja base é seiscentista, mas o remate deverá corresponder a uma intervenção posterior, elevando-se acima da linha do telhado, num coruchéu bolboso.
Antecede a fachada uma escadaria poligonal, que confere maior ênfase ao conjunto.
O interior, que conserva o traçado do século XVII, desenvolve-se em três naves, separadas por cinco arcos assentes em colunas dóricas. A central é mais larga e as laterais apresentam diversas capelas, cujas inscrições permitem datá-las sendo a mais antiga a de António Bacelar, do lado da Epístola, instituída em 1581. Entre as capelas do lado do Evangelho, do século XVII e XVIII, merece especial destaque a de Nossa Senhora do Rosário com abóbada de aresta decorada por pinturas de grotescos sendo as paredes revestidas por azulejos de fabrico coimbrão do início do século XVIII.
A cabeceira, tripartida, articula a capela-mor com as colaterais, a do Evangelho dedicada ao Santíssimo e com cúpula renascentista, e a da Epístola da invocação do Senhor das Misericórdias. Na capela-mor, coberta por abóbada de pedra, o retábulo concheado também de pedra da região é uma obra já do final do século XVIII.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventario Artistico de Portugal - Distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio