Saltar para o conteúdo principal da página

Cruzeiro do Senhor da Boa Passagem e Capela de São Lázaro - detalhe

Designação

Designação

Cruzeiro do Senhor da Boa Passagem e Capela de São Lázaro

Outras Designações / Pesquisas

Capela de São Lázaro (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / Cruzeiro do Senhor da Boa Passagem (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Cruzeiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Marco de Canaveses / Marco

Endereço / Local

- -
Lugar de Ordem

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O cruzeiro do Senhor da Boa Passagem encontrava-se originalmente junto a entrada da antiga ponte românica, desaparecida em 1944, o que explica a sua invocação. Símbolos de fé, ou de cristianização das encruzilhadas e caminhos, os cruzeiros são também símbolos de protecção e de evocação da Paixão de Cristo. O cruzeiro de Marco de Canaveses destinava-se, muito possivelmente, a proteger todos aqueles que atravessassem a ponte, muitos dos quais doentes que procuravam a cura em Santiago, acolhendo-se na vizinha gafaria e capela de São Lázaro, também ela deslocada em 1988 e encontrando-se hoje um pouco abaixo do cruzeiro com o qual conserva uma relação e proximidade.
A imagem de Cristo Crucificado encontra-se protegida por um pequeno alpendre. Sobre um soco erguem-se duas colunas prismáticas que, juntamente com a parede fundeira, suporta o telhado de três águas. Esta última, termina em empena, com cruz, exibindo ainda uma inscrição. As zonas abertas são protegidas por grades, acedendo-se ao interior do recinto através de escadas metálicas colocadas de lado.
Não se conhece a data da edificação do cruzeiro que se pensa remontar ao final do século XVIII ou mesmo à centúria seguinte.
A Capela de São Lázaro, edificada junto à ponte e perto ainda do Padrão da Boa Passagem, foi deslocada para o local onde hoje se encontra em 1988. É um templo de dimensões muito reduzidas, em cantaria aparente de granito, com nave única antecedida por alpendre suportado por colunata. No interior apenas há a referir o reduzido altar de talha.
As informações sobre a edificação da capela são muito reduzidas, embora tradicionalmente se faça recuar a sua construção ao século XVIII. Na verdade, a mais antiga referência que se conhece data de 25 de Maio de 1724 (alvará de administração da capela do padre Manuel Pinto Vieira), sinal que já existia no primeiro quartel de Setecentos. Tal como a própria invocação deixaria adivinhar, esta capela encontrava-se ligada à gafaria de Marco de Canaveses, cuja existência nesta localidade recua, pelo menos, até ao ano de 1375, apoiando os doentes que se deslocavam a Santiago em busca de cura (MONTEIRO, 1996, p. 230). A sua localização original, junto à ponte e na berma da estrada, a par da própria configuração do templo, obedecia a uma estratégia muito específica da confraria: as pessoas contaminadas pela lepra reuniam-se na galilé onde procuravam atrair a caridade de quem passava, sem que houvesse perigo de contaminação, uma vez que estavam proibidos de sair deste espaço e a capela era exclusivamente frequentada pelos doentes.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Monografia do Marco de Canaveses

Local

Marco de Canaveses

Data

1996

Autor(es)

MONTEIRO, Emília