Saltar para o conteúdo principal da página

Forte do Pessegueiro, incluindo a ilha do mesmo nome, abrangendo o Forte da Ilha de Dentro - detalhe

Designação

Designação

Forte do Pessegueiro, incluindo a ilha do mesmo nome, abrangendo o Forte da Ilha de Dentro

Outras Designações / Pesquisas

Forte de Nossa Senhora da Queimada do Pessegueiro
Forte da Praia do Pessegueiro

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Sines / Sines

Endereço / Local

Herdade do Pessegueiro
Ilha do Pessegueiro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 735/74, DG, I Série, n.º 297, de 21-12-1974 (esclareceu que a classificação abrange o Forte da Ilha de Dentro) (ver Decreto)
Decreto n.º 41 191, DG, I Série, n.º 162, de 18-07-1957 (classificou o Forte do Pessegueiro, incluindo a ilha do mesmo nome) (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O forte do Pessegueiro, fronteiro à ilha com o mesmo nome, foi planeado em 1588 por Filippo Terzi, fazendo parte de um projecto de construção de um porto artificial que faria a ligação entre a ilha e a costa de Porto Covo. Dois anos depois o engenheiro Alexandre Massay substituía Terzi na direcção das obras, sendo então iniciada a edificação da fortaleza, uma vez que o porto artificial estava já em construção. Quando em 1598 Massay iniciou a construção do forte de Vila Nova de Mil Fontes, as obras do Pessegueiro foram interrompidas.
Na centúria seguinte as obras foram suspensas e reiniciadas diversas vezes, e o forte só seria concluído em 1690, no reinado de D. Pedro II. Na mesma época o monarca mandou edificar outra fortaleza defronte deste, situada na Ilha do Pessegueiro e designada por Forte da Ilha de Dentro, para reforçar a linha de fogo da defesa costeira de Porto Covo, actualmente em ruínas.
De planta poligonal estrelada, com dois baluartes poligonais e uma bateria poligonal virada à costa, o Forte do Pessegueiro é envolvido por fosso circundado por muro. No interior, o conjunto de construções está disposto em U, sendo estas cobertas por terraços. A capela, dedicada a Nossa Senhora da Queimada, e a zona de bateria sobre as casamatas ficaram danificadas durante o terramoto de 1755.
O forte edificado em finais do século XVII apresenta um modelo planimetricamente mais simples do que o desenhado no projecto maneirista original, sendo apontando por alguns autores como obra do capitão João Rodrigues Mouro (CABRITA,Augusto, GIL,Julio,1986,p.283).
O forte da ilha encontra-se muito arruinado, podendo no entanto delinear-se a planimetria, estrelada, com quatro baluartes triangulares dispostos simetricamente em cada um dos vértices. As casamatas dispõem-se na zona central da fortaleza, e fronteira à entrada foi edificada uma ermida, dedicada a Santo Alberto.
Entre 1877 e 1942 o Forte do Pessegueiro foi ocupado pela Guarda Fiscal. O seu posterior abandono levou à actual ruína da fortaleza.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Imagens

Bibliografia

Título

Castelos e Fortalezas da Costa Azul

Local

-

Data

-

Autor(es)

VICTOR, Isabel, GONÇALVES, Luís J.

Título

Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

GIL, Júlio, CABRITA, Augusto

Título

Memória paroquial do Concelho de Sines em 1758

Local

Santiago do Cacem

Data

1987

Autor(es)

FALCÃO, José António