Saltar para o conteúdo principal da página

Forte do Pessegueiro, incluindo a ilha do mesmo nome, abrangendo o Forte da Ilha de Dentro - detalhe

Designação

Designação

Forte do Pessegueiro, incluindo a ilha do mesmo nome, abrangendo o Forte da Ilha de Dentro

Outras Designações / Pesquisas

Forte de Nossa Senhora da Queimada do Pessegueiro
Forte da Praia do Pessegueiro

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Sines / Sines

Endereço / Local

Herdade do Pessegueiro
Ilha do Pessegueiro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 735/74, DG, I Série, n.º 297, de 21-12-1974 (esclareceu que a classificação abrange o Forte da Ilha de Dentro) (ver Decreto)
Decreto n.º 41 191, DG, I Série, n.º 162, de 18-07-1957 (classificou o Forte do Pessegueiro, incluindo a ilha do mesmo nome) (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O forte do Pessegueiro, fronteiro à ilha com o mesmo nome, foi planeado em 1588 por Filippo Terzi, fazendo parte de um projecto de construção de um porto artificial que faria a ligação entre a ilha e a costa de Porto Covo. Dois anos depois o engenheiro Alexandre Massay substituía Terzi na direcção das obras, sendo então iniciada a edificação da fortaleza, uma vez que o porto artificial estava já em construção. Quando em 1598 Massay iniciou a construção do forte de Vila Nova de Mil Fontes, as obras do Pessegueiro foram interrompidas.
Na centúria seguinte as obras foram suspensas e reiniciadas diversas vezes, e o forte só seria concluído em 1690, no reinado de D. Pedro II. Na mesma época o monarca mandou edificar outra fortaleza defronte deste, situada na Ilha do Pessegueiro e designada por Forte da Ilha de Dentro, para reforçar a linha de fogo da defesa costeira de Porto Covo, actualmente em ruínas.
De planta poligonal estrelada, com dois baluartes poligonais e uma bateria poligonal virada à costa, o Forte do Pessegueiro é envolvido por fosso circundado por muro. No interior, o conjunto de construções está disposto em U, sendo estas cobertas por terraços. A capela, dedicada a Nossa Senhora da Queimada, e a zona de bateria sobre as casamatas ficaram danificadas durante o terramoto de 1755.
O forte edificado em finais do século XVII apresenta um modelo planimetricamente mais simples do que o desenhado no projecto maneirista original, sendo apontando por alguns autores como obra do capitão João Rodrigues Mouro (CABRITA,Augusto, GIL,Julio,1986,p.283).
O forte da ilha encontra-se muito arruinado, podendo no entanto delinear-se a planimetria, estrelada, com quatro baluartes triangulares dispostos simetricamente em cada um dos vértices. As casamatas dispõem-se na zona central da fortaleza, e fronteira à entrada foi edificada uma ermida, dedicada a Santo Alberto.
Entre 1877 e 1942 o Forte do Pessegueiro foi ocupado pela Guarda Fiscal. O seu posterior abandono levou à actual ruína da fortaleza.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Imagens

Bibliografia

Título

Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

GIL, Júlio, CABRITA, Augusto

Título

Castelos e Fortalezas da Costa Azul

Local

-

Data

-

Autor(es)

VICTOR, Isabel, GONÇALVES, Luís J.

Título

Memória paroquial do Concelho de Sines em 1758

Local

Santiago do Cacem

Data

1987

Autor(es)

FALCÃO, José António