Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Tapada - detalhe

Designação

Designação

Casa da Tapada

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Solar

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Amares / Fiscal

Endereço / Local

Quinta da Tapada
São Miguel de Fiscal

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa da Tapada foi mandada construir em 1540 por Francisco de Sá de Miranda, poeta e conhecido humanista, que comprou as terras da antiga quinta do Bárrio da Fonte, constituindo depois a Quinta da Tapada. Em 1552 o poeta estava já instalado no solar, pelo que a obra de edificação deveria estar já terminada.
No ano de 1589 o 3º Senhora da Casa da Tapada, Francisco de Sá de Meneses, mandou fundar uma capela privativa dentro da quinta, dedicada a Nossa Senhora da Guia. A autorização para a realização de ofícios religiosos foi emitida somente em 1615, data assinalada no portal do templo.
Na segunda metade do século XVII a Casa da Tapada foi reedificada, e nesta época também a estrutura da capela terá sido alterada.
O solar é composto por um corpo principal de linhas maneiristas, cuja planimetria se desenvolve em L. Repetindo uma tipologia comum nas casas senhoriais edificadas na época, o frontispício é marcado pela disposição de janelas e portas a espaços regulares, que lhe imprimem um ritmo regular.
Numa das fachadas laterais foi construída uma escadaria de dois lanços com patamar, aberta ao centro por vão que dá acesso à entrada traseira da casa.
O espaço interior da casa divide-se conforme os costumes da tratadística seiscentista. No piso térreo, situavam-se as dependências de serviço, no andar superior, ou piso nobre, as salas e salões de convívio social e os quartos.
Durante alguns anos, no início do século XVIII, as dependências agrícolas da casa albergaram a irmandade de São Pedro de Rates. A ala sul do solar foi construída no primeiro quartel do século XIX.
A capela foi edificada num espaço autónomo, separada da casa principal, sendo um espaço de nave única e capela-mor, com retábulo barroco de talha policroma.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Bibliografia

Título

Nobres Casas de Portugal

Local

Porto

Data

1958

Autor(es)

SILVA, António Lambert Pereira da

Título

Solares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de

Título

Palácios e casas senhoriais do Minho

Local

-

Data

-

Autor(es)

-