Saltar para o conteúdo principal da página

Quinta de Montezelo, Incluindo dois blocos de habitação, Capela de Nossa Senhora da Conceição e Magnólia - detalhe

Designação

Designação

Quinta de Montezelo, Incluindo dois blocos de habitação, Capela de Nossa Senhora da Conceição e Magnólia

Outras Designações / Pesquisas

Casa e Quinta de Montezelo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Quinta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Gondomar / Fânzeres e São Pedro da Cova

Endereço / Local

-- -
Montezelos

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Situada na freguesia de Fanzêres, a Quinta de Montezelo foi, outrora, uma das maiores e mais importantes desta região (PACHECO, 1986, p. 27). A sua edificação remonta a 1636, quando eram proprietários da Casa a família Araújo Rangel, cujo brasão se conserva ainda sobre o portão de entrada.
Mais tarde, em 1703, ergueu-se a capela, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição. Esta, situa-se na continuação do muro, junto ao portão, apresentando uma planta rectangular, e uma fachada de grande depuração decorativa. Ao centro abre-se o portal, de linhas rectas, terminando o alçado num frontão triangular rasgado por um óculo e encimado por uma pequena sineira, na empena.
É possível que, neste período, a Casa tenha sido objecto de uma campanha de obras que ampliou o espaço primitivo. A regularidade e ritmo dos vãos de ambos os blocos habitacionais assim o indicam. No mais comprido, observamos, ao centro, uma escadaria de dois lanços convergentes de acesso ao andar nobre e, no outro bloco, este piso é aberto por uma varanda que o percorre na totalidade.
Contudo, e para além da antiguidade do conjunto formado pela habitação e capela, ganham especial relevância dois elementos. Um deles é a cruz, parte integrante da antiga Via Sacra, composta por quatro cruzes, situadas em Manariz, Seixo e a última, em Santa Eulália (PACHECO, 1986, p. 26). O outro elemento é a grandiosa e gigantesca magnólia que aí se conserva desde o século XVII.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

O Grande Porto

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

PACHECO, Helder