Saltar para o conteúdo principal da página

Casa de Carcavelos - detalhe

Designação

Designação

Casa de Carcavelos

Outras Designações / Pesquisas

Casa de Carcavelos (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Solar

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Vila Verde / Coucieiro

Endereço / Local

- a 1 km da ponte de Caldelas
Carcavelos

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa de Carcavelos, situada no Lugar com o mesmo nome, foi construída no último quartel do século XVIII pelo capitão João Xavier Soares e sua mulher Maria Teresa de Azevedo (SILVA, 1958, vol. I, p. 267). Destinada a residência do casal, a obra já deveria estar a decorrer no final de 1783, uma vez que a provisão do Arcebispo de Braga autorizando a construção da capela tem a data de 13 de Novembro desse ano.
A fachada que confina com a via pública é formada por vários corpos separados por pilastras. O primeiro, que interrompe um muro ameado, é marcado pelo portão de acesso ao pátio interno: de verga curva é ladeado por duas janelas de remate idêntico. Termina num frontão de lanços curvos, interrompido. Sobre o vão da entrada exibe-se uma pedra de armas com escudo partido em pala: a primeira esquartelada Azevedos de São João de Rei; a Segunda Soares e Campos. As armas foram renovadas no final do século XIX pelo 1º Conde de Carcavelos (IDEM, pp. 267-268).
O muro continua depois até ao edifício habitacional, de dois pisos, abertos por três pequenos vãos no nível térreo e por cinco janelas de verga curva no andar nobre, sendo a central de sacada, protegida por gradaria.
Segue-se um corpo mais baixo, com um vão semelhante aos restantes no piso inferior e no superior duas janelas que ladeiam uma outra de sacada. Este longa alçado termina no frontispício da capela, definido por pilastras coroadas por urnas e rematado por um frontão de lanços curvos. O portal, de verga curva e frontão triangular, é ladeado por janelas de remate semelhante, e sobrepujado pela janela do coro, com moldura superiormente trabalhada.
Se a casa é antecedida por um portão e um pátio interno, a capela abre directamente à via pública, o que certamente permitia que fosse frequentada pela população local. Saliente-se que neste alçado apenas a capela e o portão principal exibem elementos decorativos mais dinâmicos denotando uma maior preocupação na sua configuração, ao contrário do volume correspondente à casa, onde impera a depuração. Definem-se assim claramente duas áreas, uma virada ao exterior, de cariz mais público, e uma outra mais privada e virada para o interior, embora deixando bem visível uma imagem de prestígio e poder de acordo com a imagem que os seus proprietários certamente pretendiam transmitir.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Nobres Casas de Portugal

Local

Porto

Data

1958

Autor(es)

SILVA, António Lambert Pereira da