Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Esperança - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Esperança

Outras Designações / Pesquisas

Igreja e convento da Esperança de Vila Viçosa(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Vila Viçosa / Nossa Senhora da Conceição e São Bartolomeu

Endereço / Local

Largo Mouzinho de Albuquerque (junto ao antigo Convento da Esperança)
Vila Viçosa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 33 587, DG, I Série, n.º 63, de 27-03-1944 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 6-01-2014 da diretora-geral da DGPC a devolver o processo à DRC do Alentejo para reanálise
Proposta de 18-11-2013 da DRC do Alentejo para alteração da ZEP, no sentido de serem introduzidas restrições
Portaria n.º 527/2011, DR, 2.ª série, n.º 88, de 6-05-2011 (com ZNA) (como o Centro Histórico de Vila Viçosa não está classificado, fixou a ZEP conjunta dos imóveis classificados e em vias de classificação do centro histórico de Vila Viçosa e revogou o diploma anterior) (ver Portaria)
Portaria n.º 223/2010, DR, 2.ª série, n.º 57, de 23-03-2010 (fixou a ZEP conjunta do Centro Histórico de Vila Viçosa) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 12-06-2007 da Ministra da Cultura
Parecer favorável de 31-05-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 21-02-2006 da DR de Évora

Zona "non aedificandi"

Portaria n.º 527/2011, DR, 2.ª série, n.º 88, de 6-05-2011
Portaria n.º 223/2010, DR, 2.ª série, n.º 57, 23-3-2010

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Parte integrante do convento feminino franciscano de Vila Viçosa, a igreja da Esperança foi edificada entre 1553 (data da aquisição dos terrenos pela duquesa de Bragança, D. Isabel de Lencastre) e 1570 (ano em que as obras estavam concluídas). Trata-se de um templo originalmente muito depurado, que foi depois sendo objecto de várias campanhas decorativas. Desenvolve-se em planta longitudinal, de nave única e capela-mor coberta por cúpula hemisférica. Respeitando a tipologia habitual da arquitectura conventual feminina, a entrada principal encontra-se num dos alçados laterais, com portal de verga recta encimado por baixo revelo tardo-renascentista representando a Virgem com o Menino, ladeada pelos Anjos Custódios São Rafael e São Gabriel.
No interior, a nave única é revestida por azulejos de tapete geométrico da segunda metade do século XVII. De acordo com o inventário de Santos Simões (p. 228), o padrão de maiores dimensões é o P-900, formado pela conjugação de vários módulos, que tem a separar os diferentes painéis o B-29 (barras) e o F-10 (frisos). A composição repete-se na capela-mor. Há ainda a assinalar outros padrões nas capelas de Nossa Senhora da Assunção e na capela dos Terceiros. Os panos murários exibem, ainda, diversas telas, do mesmo período.
A abóbada de berço da nave e a cúpula da abside apresentam composições de pintura mural com motivos de grutesco e outros que envolvem os quadros com representações de episódios bíblicos. Não há certezas quanto à data da sua execução (ESPANCA aponta a década de 1630), uma vez que alguns dos motivos de grutesco são característicos dos meados do século XVI enquanto os quadros centrais e o restante vocabulário decorativo é bem mais tardio. O retábulo-mor, de talha dourada, é característico do denominado proto-barroco ou estilo nacional, remontando a sua feitura aos anos finais do reinado de D. Pedro II (ESPANCA)
No final da nave é ainda visível a grade do coro que separa a igreja de fora (acessível aos leigos) da igreja de dentro (onde permaneciam as religiosas).
Tratando-se de um convento feminino, só deveria ter sido extinto após a morte da última religiosa, mas esta optou por abandonar o local em 1866 recolhendo-se ao convento das Chagas. A igreja foi cedida à Venerável Ordem Terceira de São Francisco ficando as dependências conventuais na posse da Fazenda Pública, que as adquiriu no ano seguinte.
(RC)

Imagens

Bibliografia

Título

Memórias de Vila Viçosa, vol. IV

Local

Vila Viçosa

Data

1987

Autor(es)

ESPANCA, Pe. Joaquim da Rocha

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

«Mosteiros de Vila Viçosa», Cidade de Évora, nº 53/54

Local

-

Data

-

Autor(es)

ESPANCA, Túlio