Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Paroquial de Cheleiros - detalhe

Designação

Designação

Igreja Paroquial de Cheleiros

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rocamador / Igreja Paroquial de Cheleiros / Igreja de Nossa Senhora do Reclamador / Igreja de Nossa Senhora da Assunção(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Mafra / Igreja Nova e Cheleiros

Endereço / Local

Estrada Sintra-Mafra
Cheleiros

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 974, DG, I Série, n.º 131, de 6-06-1934 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Desconhece-se a data de fundação da igreja, bem como da povoação que serve. A existência de uma ponte desde a época romana, com reformas pontuais na transição para a Baixa Idade Média, sugere que, desde muito cedo, Cheleiros tenha sido um ponto de passagem importante, no contexto regional do Ocidente a Norte de Lisboa. No século XIII, numa inquirição do tempo de D. Afonso II, a sua igreja é uma das duas mencionadas do actual concelho de Mafra, facto que aponta para uma organização cristã precoce, imediatamente após a conquista do território por D. Afonso Henriques.
O edifício que chegou até aos nossos dias não possui qualquer vestígio de um passado tão remoto. A sua construção ter-se-á dado na viragem para o século XIV, praticamente ao mesmo tempo que a da igreja de Santo André de Mafra, com a qual mantém um interessante paralelo estilístico. Em 1304, D. Dinis doou a povoação de Cheleiros a D. Violante Lopes Pacheco, mulher de D. Diogo Afonso de Sousa, casal que, ao que tudo indica, patrocinou as obras de Santo André e em cuja capela-mor escolheu sepultar-se. Terá sido a partir desta data que se construiu a actual igreja, indicação cronológica que encontra confirmação estilística na analogia entre os portais principais dos dois templos. O da igreja de Mafra é bastante mais desenvolvido e monumental, com as suas três arquivoltas e alfiz de cuidado aparelho, que contrasta com a aparente singeleza da obra de Cheleiros, de arco único. Em todo o caso, não passa despercebida a idêntica composição adoptada, sintoma claro de uma mesma influência e proximidade cronológica.
O portal principal foi realizado numa obra que, ao contrário de Santo André, possuía nave única. Estaremos, provavelmente, perante uma das poucas igrejas de carácter paroquial de nave única construídas durante a vigência do Gótico, esquema planimétrico que parece ter sido adoptado em povoações mais modestas, e que simplificou o modelo paroquial de três naves.
A igreja gótica não chegou íntegra até aos nossos dias, mercê de sucessivas alterações e outras tantas actualizações estéticas. Uma das mais importantes aconteceu na primeira metade do século XVI, altura em que se substituiu a antiga cabeceira por uma capela-mor de duplo tramo e de feição manuelina.
À semelhança de tantas outras igrejas reformadas no reinado de D. Manuel (em particular em contexto rural), a campanha quinhentista optou por actualizar radicalmente o ponto fundamental de religiosidade do templo, mantendo inalterado o corpo. O resultado foi uma capela-mor profunda mas, mais importante, com uma ampla entrada, definida por um duplo arco abatido (forma que expande o espaço em vez do perfil quebrado que restringe), encimado axialmente por uma esfera armilar. Ao centro da abóbada, num bocete, figuram as armas da família dos Ataíde, família que detinha os direitos sobre a povoação e que patrocinou esta campanha. Ainda no portal principal, foi incrustada uma pia baptismal manuelina, sinal exterior da reforma então empreendida.
O corpo gótico do templo também não chegou até hoje. Presumivelmente no século XVII (altura de que data o revestimento azulejar da nave), nova campanha de obras foi executada. Tratou-se de uma empreitada modesta, sem rasgos arquitectónicos ou decorativos assinaláveis, como o atesta o portal lateral Sul, de arco recto e com frontal triangular simples. No século XVIII, adicionou-se a torre sineira, de secção quadrangular e composição superior claramente barroca, características do período joanino.
Em decadência ao longo do século XIX, o restauro a que foi sujeita, nas décadas de 40 e 50 do século XX, significou uma assinalável renovação da imagem do templo. O programa selectivo então efectuado foi responsável pela supressão de alguns elementos da época moderna, casos do lavabo barroco que existia na Sacristia (VILAR, 1998, p.375) e, presumivelmente, do órgão que, em 1930, se encontrava em muito mau estado (GANDRA, 1998, p.419).
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

A arquitectura e a escultura monumental na região de Mafra entre o Gótico e o Classicismo, Do Gótico ao Maneirismo. A arte na região de Mafra na Época dos Descobrimentos, pp.21-31

Local

Mafra

Data

2002

Autor(es)

PEREIRA, Fernando António Baptista

Título

Carta do Património do Concelho de Mafra. 1 - Lavabos de Sacristia, Boletim Cultural '97, pp.371-396

Local

Mafra

Data

1998

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

Carta do Património do Concelho de Mafra. 2 - Organaria, Boletim Cultural '97, pp.397-425

Local

Mafra

Data

1998

Autor(es)

GANDRA, Manuel Joaquim

Título

Intervenções da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais na Igreja Matriz de Cheleiros, Mafra - Boletim Cultural '2000, pp.169-184

Local

Mafra

Data

2000

Autor(es)

MACHADO, João Liberata

Título

Igreja de Cheleiros. Boletim da DGEMN, nº48

Local

Lisboa

Data

1947

Autor(es)

-

Título

5. Igrejas e Capelas do Concelho de Mafra com enterramentos, Da Vida, da Morte e do Além, catálogo de exposição, pp.114-117

Local

Mafra

Data

1996

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

2. O adro da igreja de Nossa Senhora do Reclamador (Cheleiros - Mafra). Uma intervenção osteorqueológica, Boletim Cultural '99, pp.197-206

Local

Mafra

Data

1999

Autor(es)

MIRANDA, Marta

Título

4. Arquitectura e escultura monumental manuelina na região de Mafra, Boletim Cultural 2000, pp.65-82

Local

Mafra

Data

2000

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, vol. III (Mafra, Loures e Vila Franca de Xira)

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

Mafra. Monografia

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

LUCENA, Armando de

Título

Carta do Património do Concelho de Mafra. 1. O Manuelino, Boletim Cultural '94, pp.309-318

Local

Mafra

Data

1994

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Memórias e Memorialistas. 1. Memórias Paroquiais, Boletim Cultural '96, pp. 307-344

Local

Mafra

Data

1997

Autor(es)

GORJÃO, Sérgio

Título

Identidades. Património Arquitectónico do Concelho de Mafra

Local

Mafra

Data

2009

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida, VILAR, Maria do Carmo

Título

Notas sobre o urbanismo da antiga vila de Cheleiros, Boletim Cultural 2008, pp. 27-66

Local

Mafra

Data

2009

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida