Saltar para o conteúdo principal da página

Quinta da Cardiga - detalhe

Designação

Designação

Quinta da Cardiga

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Quinta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Golegã / Golegã

Endereço / Local

Quinta da Cardiga
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 38 673, DG, I Série, n.º 57, de 12-03-1952 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Doada em 1169 por D. Afonso Henriques aos Templários, a Quinta da Cardiga era originalmente um terreno de arroteamento e cultivo. No local foi edificado um castelo, que conjuntamente com os castelos de Almourol, de Ceras e do Zêzere, constituía a cintura de defesa do Tejo.
Com a extinção da Ordem do Templo, a propriedade passou para o domínio da Ordem de Cristo, que aí edificou a uma granja de veraneio cerca de 1540-1542. O projecto do conjunto da quinta, que incluí o palacete, o celeiro, a capela e o claustro, é atribuído à traça do arquitecto João de Castilho (SERRÃO, Vítor,2002,p.61).
O palacete traçado por Castilho apresenta uma estrutura de palácio-fortaleza renascentista, ladeado por torreões circulares rematados por cúpulas, de planimetria longitudinal que integra pátios interiores, galerias e diversas dependências. O ritmo da fachada principal é marcado pela disposição simétrica de janelas nos dois pisos em que se divide. O portal principal possui moldura rectangular simples encimada por frontão com enrolamento, no qual foi inserido medalhão com Cruz de Cristo sustentado por dois putti. Na fachada principal foi ainda edificado um portal festonado decorado com motivos grutescos.
Do antigo castelo templário resta a torre de planta quadrangular com seis pisos. O celeiro, de planta quadrangular, é coberto por abóbadas de aresta assentes em colunas monolíticas.
A capela, dedicada a Nossa Senhora da Misericórdia desenvolve-se em planta longitudinal de nave única com capela-mor quadrangular coberta por abóbada de arestas. O altar-mor é definido por arco de volta perfeita assente sobre pilares jónicos. Sobre o altar foi colocado um retábulo de mármore, atribuído à oficina de João de Ruão (SERRÃO, Vítor,2002,p.61), figurando a Virgem da Misericórdia.
À semelhança do palácio da Bacalhoa, a Quinta da Cardiga apresenta uma solução "nacionalizada", ou vernacular, do modelo clássico do palácio-fortaleza.
Catarina Oliveira

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - o Renascimento e o Maneirismo

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Santarém

Local

Lisboa

Data

1949

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

A Arquitectura ao Romano

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

CRAVEIRO, Maria de Lurdes